Alecrim melhora o desempenho escolar dos estudantes

ALECRIM (Rosmaninus officinalis)
Nome Científico: Rosmarinus officinalis Officinalis e Rosmarinus officinalis Linn. ( as mais utilizadas, não confundir com ALECRIM-DO-CAMPO = Baccharis dracunculifolia, o mais comum no Brasil.)
Família – Labiadas

Nomes Populares – Alecrim, rosmarino, alecrim-de-jardim, erva da recordação, erva-da-graça, erva-da- alegria, erva-mágica ou ainda erva-das-bruxas…

Alecrim

Estimulante mental ativa a memória dispersando o cansaço da mente, estimula a consciência.Estimula também o sistema nervoso central de uma maneira geral (o qual tem a função de controlar todos os sistemas do corpo humano).
Purifica o local em questão, traz felicidade e justiça.
Planta de longa tradição no esoterismo. Exerce uma ação geral de proteção. Aumenta a capacidade de aprendizado. Calmante, relaxante, e segundo a crença popular, afasta os maus espíritos.
Os povos antigos acreditavam que o alecrim reforçava a memória. A erva era queimada em escolas e universidades a fim de inspirar os estudantes.

Apesar das inúmeras propriedades terapêuticas do óleo essencial de alecrim, seu uso é contraindicado durante a gravidez, em crianças com menos de sete anos, epiléticos e hipertensos.

 (Fonte: http://eusoumaisterapias4.blogspot.com.br/)

 

Ao longo da história muitas técnicas já foram difundidas como capazes de melhorar a capacidade de aprendizado das crianças. Entre elas, por exemplo, ouvir Mozart. Mas uma nova dica pode mudar a vida de estudantes.

Um estudo apresentado pela Universidade de Northumbria, na Inglaterra, indica que a ingestão de alecrim pode ter efeito positivo na cognição das pessoas. Mais especificamente, um óleo produzido a partir do tempero.

Em caráter de teste, os cientistas dividiram 40 crianças, entre 10 e 11 anos, em duas salas de aula. Em ambas eles tinham de fazer uma série de testes de memória, lembrando de figuras ou palavras apresentadas pelos cientistas.

Uma das salas recebeu, por 10 minutos, um óleo essencial de alecrim. As crianças expostas a esse cheiro tiveram desempenho significativamente melhor nas tarefas que necessitavam memória executiva — a que nos ajuda a processar informações do dia-a-dia.

Com a melhora comprovada, o próximo passo dos responsáveis pelo estudo é investigar o porquê dessa associação entre o alecrim e a melhora cognitiva. Para isso, porém, são necessários estudos com amostras muito maiores do que as exibidas até o momento.

“É possível que aromas interfiram na atividade elétrico da cérebro, ou que compostos farmacológicos da planta sejam absorvidos por conta da exposição ao cheiro”, explica Mike Moss, líder da pesquisa.

Com isso, conclui Moss, a aromaterapia seria uma alternativa eficaz e barata de aumentar a performance dos alunos nas escolas. Para isso, basta que ela seja comprovada em pesquisas maiores. (Fonte: Yahoo)

LEIA  MAIS: AS NOVAS DESCOBERTAS SOBRE O ALECRIM