EUA declara que militares da Venezuela são fugitivos da justiça americana

O governo dos EUA incluía os nomes de Major General Nestor Luis Reverol e geral Edylberto Molina na lista de fugitivos da justiça dos Estados Unidos, de acordo com um documento que foi entregue ao Tribunal Federal do Distrito Leste de Nova York-based Brooklyn.
Lynch enviou uma carta para os juízes do Distrito Leste de Nova York, Frederick Block e Allyne Ross, o que dá uma explicação sobre os crimes dos quais eles acusam Reverol e Molina, e avisa que ambos fazem parte do mesmo caso e são acusados a mesma acusação: conspiração para contrabandear narcóticos para os Estados Unidos.

Lynch trabalha com um caso integrado pelo Ministério Público Walter Norkin e equipe Gina Parlovecchio.

Congelamento de bens. A acusação também afirma que as propriedades de ambos os réus estão sujeitos à perda abrigo das disposições do Código dos Estados Unidos. O governo pode confiscar qualquer propriedade adequada e tem sido obtido como resultado de atividade criminosa para a qual estão a ser carregada.

Neste caso, assegura a documentação, bens sujeitos a confisco não podem ser transferidos, vendidos, depositados ou transferidos a terceiros, colocados sob a jurisdição do Tribunal, diminuir o valor ou ser dividido.

Argumentou que os dois réus não estão sob custódia dos Estados Unidos é esperado nos próximos dias sua nomes, informações e fotografias aparecem na lista de queria fugitivos e Interpol e outras agências de segurança internacionais têm todos os elementos legais proceder para capturar onde eles estão.

Nos estados de registro que o ex-comandante-geral da GNB e diretor da Anti-Drogas Escritório Nacional e vice-diretor da mesma agência oficial “receberam pagamentos de traficantes de drogas para receber alertas para o futuro operacional, lugares onde os agentes fariam requisições e o tempo deles para que eles tiveram tempo para mover o local de drogas e buscar rotas alternativas para obter o produto da Venezuela”.

A acusação do grande júri de Nova York acrescenta que graças à colaboração dos dois cartéis de drogas acusados ​​foram capazes de operar na Venezuela, recolher cocaína na Colômbia e trazê-lo para os Estados Unidos através do México e América Central. Cargas que saem da Venezuela consistia em “centenas de quilos de cocaína, muitas vezes superior a milhares de quilos em uma única remessa”.

Fonte: http://maibortpetit.blogspot.com.br ( VENEZUELA POLÍTICA)

 

Deixar uma resposta