A explicação para a pressa de Dilma em nomear Lula ministro

Agora veja a informação do Radar de VEJA:

“O Ministério Público Federal em Curitiba preparava a denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pediria sua prisão preventiva. Ambos os pedidos estavam sendo ultimados para ser apresentados ao juiz Sergio Moro nesta quinta-feira — antes da primeira previsão de posse de Lula na Casa Civil, que deveria ser na próxima terça-feira.

A fundamentação do pedido de preventiva seriam as tentativas de obstrução da Justiça evidenciadas pelos grampos com autorização judicial — os anteriores à conversa [imagino que de Dilma] com Lula, que só foi flagrada na reta final da interceptação telefônica.

Assim como fora informado previamente de que haveria mandado de busca e apreensão em sua casa e nas dos filhos e assessores, Lula foi informado previamente da movimentação da força-tarefa.

O vazamento de que a prisão estava sendo preparada levou à conversa entre Lula e Dilma interceptada pela Polícia Federal. Por isso também a pressa da presidente para enviar ao novo ‘assessor’, já no aeroporto, o termo de posse antecipadamente, caso fosse ‘necessário’.

Por isso também foram antecipadas a publicação da nomeação de Lula e a data de sua posse.”

O propósito de obstruir a Justiça nunca ficou tão escancarado. Foi necessária até edição extra do Diário Oficial. O amarelão correu para se esconder no governo e o governo correu para esconder o amarelão, porque ambos sabiam de sua prisão iminente.

O lugar dessa gente é a cadeia.

Felipe Moura Brasil ⎯ http://veja.abril.com.br/blog/felipe-moura-brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *