Mais um familiar de Lula entra na mira da Lava Jato

Delator alega ter pago R$ 2 milhões para nora do ex-presidente

16 de outubro de 2015

Email Share

Brazil's former President Luiz Inacio Lula da Silva attends the installation of the Truth Commission at Planalto presidential palace in Brasilia, Brazil, Wednesday, May 16, 2012. Brazilian President Dilma Rousseff has sworn in the seven members of a truth commission created to look into human rights abuses committed during the nation's long dictatorship. (AP Photo/Eraldo Peres)Delator da Operação Lava Jato, o lobista Fernando Soares, mais conhecido como Fernando Baiano, revelou em depoimento à Justiça que pagou  R$ 2 milhões para uma nora do ex-presidente Lula.

É o que informa o portal de notícias G1, em matéria sobre o assunto, nesta quinta-feira (15).

De acordo com Baiano, o pagamento foi feito a pedido de José Carlos Bumlai, amigo de Lula. Na delação, o lobista diz que o valor pago era referente a uma comissão a que Bumlai teria direito por incluir Lula na intermediação de contrato que estaria sendo negociado pelo OSX, que tinha interesse em entrar na licitação para a construção de navios sonda para explorar o pré-sal.

As suspeitas envolvendo familiares do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não param.

Na semana passada, o nome do filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT),  Fábio Luís Lula da Silva foi citado, já havia sido citado também por Fernando Baiano, que afirmou ter pago despesas pessoais de Lulinha no valor de R$ 2 milhões.

Na quinta-feira (15), o empresário Taiguara Rodrigues dos Santos, sobrinho da primeira esposa de Lula,  admitiu em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do BNDES que uma de suas empresas, a Exergia Brasil, teria recebido US$ 2 milhões da Odebrecht, empreiteira investigada pela Lava Jato.

Integrante da CPI da Petrobras na Câmara, o deputado federal Izalci Lucas (PSDB-DF) considera importante o aprofundamento das investigações, em função das provas que vão aparecendo a cada dia.

“Não existe tanta coincidência, como essa questão do envolvimento dele [Lula] com a Petrobras e a Odebrecht e com os governos  da África do Sul e Venezuela”, reitera Izalci.

Deixar uma resposta