VÍDEO DE OUTRA PESSOA ESTÁ SENDO ATRIBUÍDO A JORNALISTA SHEILA SOUZA

 

A JORNALISTA SHEILA RODRIGUES DE SOUZA FOI ABORDADA POR UMA BLITZ EM BRASÍLIA E SEGUNDO ELA, FOI AGREDIDA POR PM.
 
CIRCULA UM VÍDEO NA INTERNET,, POSTADO POR UM PM, NA MESMA POSTAGEM QUE CITA O FATO OCORRIDO COM A JORNALISTA, PASSANDO A IMPRESSÃO DE QUE O VÍDEO É DA JORNALISTA.
 
NO VÍDEO UMA MULHER JOGA O ROSTO EM UM POSTE DE FORMA PROPOSITAL PARA ACUSAR POLICIAIS DA AGRESSÃO.
 
A PRÓPRIA PM JÁ DECLAROU QUE O VÍDEO NÃO É DA JORNALISTA.
 
NO FACEBOOK DA JORNALISTA ELA ESTÁ SENDO MASSACRADA, XINGADA DE MENTIROSA, PORQUE ESTÃO PENSANDO QUE ELA SIMULOU A AGRESSÃO DEVIDO AO FALSO VÍDEO ATRIBUÍDO A ELA.




A PM INFORMOU QUE O VÍDEO DIVULGADO NAS REDES SOCIAIS NÃO É DA JORNALISTA, mas que a abordagem feita á jornalista foi filmada e anexada ao processo contra a jornalista.

Para assistir o vídeo clique aqui

 

VERSÃO DA POLÍCIA

Segundo o  boletim de ocorrência registrado na 5ª DP narradom pelos policiis,  Sheila teria ficado “muito alterada”, inclusive chamando um dos PMs de “muito incompetente”, quando foi comunicada que seria multada e e ter a habilitação apreendida.

A condutora inicialmente recusou em fazer o teste e quando fez , ficou  comprovada a embriagues  de 0,25mg/l, “comprovando que a mesma estava sob influência de álcool”, diz a ocorrência. E ao receber voz de prisão reagiu com agressividade e se recusou  a ir para o banco de trás, onde andam as pessoas detidas.

Ainda segundo relatos de policiais, a  jornalista desferido socos e tapas com a chave do carro em mãos, o que haveria lesionado a boca e o rosto de uma policial.

VERSÃO DA JORNALISTA ( POSTADA NO FACEBOOK DELA) e POSTERIORMENTE RETIRADA.

Carta Aberta
Porque como jornalista, na faculdade, aprendi dar sempre a versão clara dos fatos e na varanda de casa aprendi que justiça e liberdade são valores preciosos demais para se deixar levar por violência e vaidade.

*enviado em 22 de setembro à Ouvidoria da PMDF


“Prezados, como cidadã, escrevo com tamanha indignação e dor.

Segue um pequeno registro do lamentável fato ocorrido ontem, quando fui parada em uma blitz de rotina (como tantas que vemos em Brasília), e sai de lá algemada, fui constrangida, ameaçada e espancada por uma equipe de policiais militares. Fato esse, que me faz refletir, se o papel da polícia seria o de proteger e não coagir cidadãos de bem.

PM age com truculência, espanca e algema jornalista em blitz

Na madrugada dessa sexta, por volta de 00:26h, a jornalista Sheila Souza, 28 anos, voltava da casa de amigos na Asa Norte com destino à Águas Claras, quando foi parada em uma blitz da Lei Seca, na altura da quadra 508 norte.

Durante a abordagem, uma viatura da PM encostou na traseira de seu carro e ligou a sirene, parada ao lado de um dos policiais, e sem saber o que estava acontecendo, ela apresentou o documento do carro e habilitação, documentos todos em dia, não fosse pelo detalhe de que por infelicidade, ela não portava o documento 2017, mas, o IPVA, DPVAT e seguro obrigatório estavam quitados, como era possível ver no sistema, inclusive.

O policial mandou a jornalista descer do carro, em seguida houve discussão, pois foi pedido o teste do etilômetro, Sheila alegou não ter ingerido álcool, não satisfeito o policial, gritava com a moça, e dizia que ia fazer de tudo para prejudicá-la. Coagida, em meio a quatros policiais armados, a jornalista decidiu por fazer o teste, o policial se negou a mostrar o resultado à motorista.
Em seguida ela foi algemada, derrubada no chão, sofreu socos, puxões de cabelo e foi espancada pela equipe. Uma das policiais, a 3º sargento, Francineide de Lima da Costa deu voz de prisão, mandou-a para uma das viaturas, Sheila, já cambaleante entra em uma das portas do carro abertas. A policial a tira pelos cabelos de forma truculenta e a joga no chão. Algemada, sem defesa, a jornalista é literalmente arremessada dentro do camburão, espaço onde são transportados os contraventores.
Conduzida até a 5° DP, onde a jornalista chegou inconsciente, foi colocada no chão com outros presos, em seguida levada para uma cela, onde não permaneceu dado o bom senso do delegado de plantão, sr. Gorki Pires.

Sheila prestou depoimento, na presença de seu advogado, foi liberada com posse de seu documento do veículo, que está no pátio do Detran. Em seguida foi feito o exame de corpo e delito no IML, que acusou lesões por todo corpo causadas pela 3º sargento, Francineide de Lima da Costa e sua equipe.

Sheila entrará com representação junto à Corregedoria da PMDF.

Irá até a instância judicial em busca de reparo financeiro e moral. Já que o psicológico e físico infelizmente não podem sofrer reparos.

O delegado responsável pelo plantão agiu com parcimônia e conduziu o caso muito bem, já que a motorista é ré primária, sem antecedentes criminais, não praticou nenhum ilícito no trânsito, participando apenas de uma discussão com policiais militares, que a todo momento a ameaçavam, ele permitiu que Sheila ficasse em sua sala até a chegada de seu advogado. “Sai de casa para comemorar um contrato de trabalho, e fui tratada como bandido na rua por quem deveria me defender. Um país em que 3 homens e uma mulher fortemente armados batem em uma cidadã como eu, sem que se pese nenhum motivo contra minha conduta, é realmente lamentável. Fui atacada! E não vou descansar enquanto a justiça não for feita!”

— O breve relato acima estará disponível em alguns jornais da cidade, seria anti cidadã até de minha parte não recorrer por meus direitos, creio que a justiça não verá com bons olhos uma ação demasiada truculenta, e isso poderá ajudar para que eu tenha um pouco de sossego, liberdade e justiça. Além de poupar outros cidadãos que porventura, tenham a infelicidade de cruzar com policiais violentos.

Fica meu apelo à Ouvidoria que me auxilie no caso, pois não pouparei esforço cível, penal e na imprensa para que o caso não seja esquecido.

Atenciosamente uma cidadã motorista com do documentos e habilitação em dia, que parada em Lei Seca ao se recusar a fazer o teste etilômetro deveria ter apenas aguardado um motorista habilitado para retirar meu carro do local.

Quem vos escreve é uma moça de 1.60 de altura, com 58 quilos, a qual uma equipe de policiais armados jura terem sido agredidos, como se isso fosse possível, ainda mais com as mãos algemadas. A ficção montada pelos policiais nos autos se desfará em frente o juiz certamente.

Eu peço, peço por justiça, nesse momento choro por justiça! Só quero andar nas ruas onde nasci com meus direitos resguardados, minha liberdade plena e minha certeza de que a justiça e o país que queremos começa em cada um de nós.

Atenciosamente,
Sheila Souza

11 thoughts on “VÍDEO DE OUTRA PESSOA ESTÁ SENDO ATRIBUÍDO A JORNALISTA SHEILA SOUZA

  1. Jorga Roriz, de quem é o video então? Se houve outro caso com lesão e que se enquadre como agressão que depois foi comprovada a auto lesão, mostra os registros. Cumpra o dever de informar, veja de quem é o video que circula nas redes sociais.

    1. O VÍDEO NÃO FOI DIVULGADO POR MIM E SIM PELA PM. E NO VÍDEO NÃO TEM O NOME DA PESSOA. A PM NÃO INFORMOU. CONSEGUINDO A INFORMAÇÃO VOU INFORMAR.ISSO NÃO FOI DIVULGADO. SOMENTE QUEM DIVULGOU O VÍDEO TEM A INFORMAÇÃO. A PRÓPRIA PM DO DF CONFIRMOU QUE O VÍDEO NÃO É DA JORNALISTA.

  2. Mesmo que o vídeo seja fake, toda a história é mal contada… Em algum momento a “eficiente” jornalista deve ter dado “carteiraço” ou insultado os PMs o que virou moda entre a turma da “pátria educadora” e parte de imbecis da classe média. Que a verdade venha a público e se esta Senhora estiver mentido que pague pelo seus erros…

  3. NÃO É MUITO COINCIDÊNCIA O VÍDEO TER SIDO DIVULGADO SOMENTE DEPOIS DO DIA(DA NOITE) DOS FATOS COM SHEILA???…PORQUE NUNCA FOI DIVULGADO ANTES DO DIA 21/09?? DIFÍCIL NÃO ACREDITAR QUE O VÍDEO NÃO É DO CASO DA JORNALISTA. E OUTRA, EM VEZ DELA PROCURAR A CORREGEDORIA DA PM FOI À OUVIDORIA (QUE É COMPOSTA POR INTEGRANTES DOS DIREITOS DO MANOS TAMBÉM)

  4. O vídeo pode não ser dela, mas e as testemunhas estão todas mentindo quando dizem que a bela e recatada Sheila chamou a policial de gorda escrota ?? Me poupem, se poupem e nos poupem dona Sheila, pois a verdade virá a tona….

    1. Não estamos julgando se Sheila agrediu ou foi agredida pela PM. Apenas afirmamos que o vídeo que circula nas redes sociais atribuído a ela não é dela. Esperamos que a verdade dos fatos seja esclarecida. Mostramos a versão da jornalista e a versão da polícia como exige a norma ética de um jornalismo imparcial.

  5. esta errada e pronto… A lei é para todos.. ouve um desacato legitimo.. e ouve a atuação…. é jornalista e conhece os fatos e leis… deve ser punida dentro do que a lei manda sim… mulher ou homem se for necessário força haverá sim, se não quiser que chegue neste caso é só obedecer ficar pianinha… Agora quer posar de boa moça… é fácil fazer merda e depois jogar culpa em outros, quero ver ter a decência de dizer a verdade e assumir a propiá culpa. mas vais ser esperar de mais desta imprensa marrom que destorce todos os fatos, fazendo a policia a vilã e os bandidos as vitimas…. e estou com os Pm’s, pois deve ser aplicada a lei e a ordem, pois ainda rege a cidadania… #bolsonaro2018

  6. Se fosse “UMA CIDADÃ DO BEM”, teria feita teste de bafômetro…..
    Não o fez e a própria mesma escreveu seguinte: “que parada em Lei Seca ao se recusar a fazer o teste etilômetro deveria ter apenas aguardado um motorista habilitado para retirar meu carro do local”, então está na cara de ter ingerida bebeda alcoolica!
    E ela também escreveu q “ganhou um contrato de trabalho e saiu para COMEMORAR, ou seja, ela bebeu e pronto!
    Não vou falar mais nada.

  7. Se fosse “UMA CIDADÃ DO BEM”, teria feita teste de bafômetro…..
    Não o feito e a própria mesma escreveu o seguinte: “que parada em Lei Seca ao se recusar a fazer o teste etilômetro deveria ter apenas aguardado um motorista habilitado para retirar meu carro do local”, então está na cara de ter ingerida bebeda alcoolica!
    E ela também escreveu q “ganhou um contrato de trabalho e saiu para COMEMORAR, ou seja, ela bebeu e pronto!
    Não vou falar mais nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *