A morte do liberalismo e a galinha que comemora a canja

Não há desculpa para quem bloqueia estradas e impede o direito de ir e vir. Isso serve para MST, MTST e caminhoneiros. Quem apoia o locaute em que o patronato do setor usa de modo canalha os caminhoneiros como massa de manobra pode ver nele um protesto contra o governo e pode achar que o movimento criminoso é patriótico ou algo assim. Mas o caráter patriótico não se sustenta quando prestamos atenção à exigência principal – o barateamento do diesel –, que só beneficiará uma classe e custará para toda a sociedade, pois tal subsídio sai da nossa grana. Essa é uma informação que qualquer pessoa com o ensino médio completo deveria considerar. Não é da grana do Temer ou do governo, é da nossa; o presidente não tem nada a perder com a continuação do locaute. Renunciar? Melhor para ele, pior para o país não só porque é Rodrigo Maia é muito pior do que Temer em tudo, mas porque as incertezas se aprofundam.

Jair Bolsonaro acordou invocado e anunciou que anistiará caminhoneiros se for eleitor presidente. Tenho nojo disso; o deputado que se diz antipetista segue o modelo do que Lula foi para os metalúrgicos; Bolsonaro combatia Lula por inveja e quer implantar a própria república sindicalista sendo para os caminhoneiros o que Lula foi para os metalúrgicos. Há maneiras honestas de se fazer oposição sem submeter a população sofrimentos além dos já existentes. Bolsonaro sempre me pareceu medíocre, fanfarrão e antiliberal sempre votando no Congresso a favor da pauta econômica do PT e sempre favorecendo corporações/sindicatos, agora vejo também que é um oportunista miserável.

Leia o artigo completo aqui