A reação institucional contra Bolsonaro

A reação institucional contra Bolsonaro

“É preciso resistir à destruição da ordem democrática, para evitar o que ocorreu na República de Weimar, quando Hitler não hesitou em romper e nulificar a progressista, democrática e inovadora Constituição de Weimar.” Ministro do STF, Celso de Mello

 

“O art. 142 da CF coloca as Forcas Armadas a serviço da manutenção da lei e da ordem a pedido de qualquer um dos três Poderes. Não dá prerrogativa de o Exercito intervir no STF. O povo brasileiro não admite essa interpretação golpista.” Modesto Carvalhosa

“O fato de o presidente [Jair Bolsonaro] ter tido quase 60 milhões de votos não o autoriza a descumprir a Constituição.” Ministro, Gilmar Mendes

“Deputados de vários partidos, de diferentes espectros ideológicos, defendem a necessidade de se deixarem de lado as diferenças políticas e de todos se unirem para evitar a implantação de uma ditadura no país, uma ameaça que eles cada vez mais enxergam nos atos de Bolsonaro”

 

Barroso, Maia e Alcolumbre se encontraram para falar da cassação da chapa Bolsonaro e Mourão

Fala de Eduardo Bolsonaro contra STF é “grave”, diz Rodrigo Maia

“Hoje no poder Executivo nós temos um presidente que tem esse perfil [de enfrentamento] e sempre teve. Mas agora é diferente. Quando você é um deputado crítico e vai para o enfrentamento, é uma coisa. Quando você chega à Presidência da República, é diferente, o seu papel é conciliar. Você não é presidente só dos que o elegeram. Você é presidente de todos os brasileiros”, disse durante uma live.
Após destacar que o STF tem apoio do Parlamento, Maia criticou fala de Bolsonaro:

“O tom é ruim, o tom é excessivo. Com todo o discurso de crítica, a decisão (Judicial) tem que ser cumprida”, disse Maia

Vivemos uma guerra. O inimigo ainda não é totalmente conhecido pela ciência. Um inimigo invisível e mortal. O povo brasileiro espera que cada um de nós, detentores de mandatos públicos, tenha consciência do papel a desempenhar na busca de soluções para enfrentar o vírus que mata.

Volto a repetir o que já tenho falado algumas vezes: a quarentena, o isolamento social, não são os culpados por derrubar a economia. Quem derruba a economia é o vírus. O distanciamento momentâneo entre as pessoas salva vidas.