A troca do ministro da justiça e do diretor da PF - Repercussão

Bolsonaro governa para seus familiares e não para o país – Combate a corrupção alheia dos adversários, não a dos filhos ou de aliados. Lembrando que os aliados de Bolsonaro hoje, podem ser inimigos de Bolsonaro, amanhã.

Repercute a troca feita por Bolsonaro do diretor da Polícia Federal e do ministro da justiça no lugar de Sérgio Moro. O presidente comete crime. Ele coloca amigos para controlar as investigações contra seus filhos..

 

Questionado por ter colocado amigos de familiares que estão sendo investigados, Bolsonaro, assume a ilegalidade, como se tivesse praticado um ato legal, normal
“E daí? Antes de conhecer meus filhos, eu conheci o Ramagem. Por isso deve ser vetado? Devo escolher alguém amigo de quem?”, disse.

“Lamentavelmente o ex-ministro mentiu sobre interferência na Polícia Federal”, disse Bolsonaro.

 

“Bolsonaro escolheu seu ex-assessor parlamentar pra Justiça e seu segurança de campanha e amigo dos filhos pra PF. Colocou na sua cozinha o Ministério da Justiça, a Segurança Pública e a PF. É compadrio. Moro foi descartado pra que ele pudesse colher “relatórios de inteligência” Roberto Freire

“A escolha de Jorge Oliveira para ministro da Justiça é caseira. Para blindar os Bolsonaro. Policial da reserva e advogado foi assessor de Bolsonaro na Câmara e chefe de gabinete de Eduardo Bananinha. Não será ministro da Justiça do Brasil, mas de Bolsonaro e dos garotos.” Ricardo Noblat

“Pré-Ministro da Justiça:
– padrinho de Flávio Bolsonaro, investigado por rachadinha;
– ex-chefe de gabinete de Eduardo, alvo da CPMI das Fake News que revelou assessor com conta anônima atacando adversários.

Pré-Diretor da PF:
– amigo de Carlos, na mira dela por milícia virtual.”

“O presidente radicalizou num sentido que só pode significar que ele tem má intenção”, diz ex-procurador da Lava Jato, Carlos Sobrinho

Sai Moro e Valeixo, entra Jorge Oliveira (amigo de 15 anos da família e ex-chefe do gabinete de Eduardo Bolsonaro) e Alexandre Ramagem (amigo pessoal de Carlos Bolsonaro).

Bolsonaro diz: “Eu luto contra o sistema, contra o establishment.” ( Felpe Moura)

 

“É difícil imaginar ter havido um ministro tão desqualificado como esse na história do ministério da Justiça.
Não é e nunca foi nada mais que um capacho de Bolsonaro.

Em apenas 24 horas Bolsonaro colocou em dois postos fundamentais da nossa República – a Polícia Federal e o Ministério da Justiça – duas pessoas cuja principal virtude não é serem as mais habilitadas tecnicamente para cumprir a função e sim serem subalternas dele, o que implica em dizer que estão escaladas para melar as investigações sobre seus filhos e cumprir o sonho bolsonarista de transformar a PF em polícia política, com duas missões: atacar os adversários e proteger os correligionários.” ( Alex Solnik, 247)

 

Nada caracteriza melhor um regime autoritário do que o controle da polícia pelo governante para proteger aos seus e perseguir os opositores. Ao dar um primeiro passo, vai ficando irreverssível a transformaçao da PF em Gestapo ou PIDE. Questão de tempo, se não for barrado. Cristovam Buarque