A twittada do General Vilas Boas: ‘anseios do exército e o da população: fim da impunidade’

 

 

“Asseguro à Nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais.” tuitou o General Villas Boas.

Somente os fanáticos adeptos de uma intervenção/ rebelião/golpe ( ação do exército sem ordem do presidente) pode encontrar no texto do general uma ameaça. O que o genral disse foi que o exército compartilha com o povo brasileiro ( povo de bem) o fim da impunidade. ( Jorge Roriz)

 

É preciso estar mesmo muito apaixonado pela ideia absurda de intervenção militar no Brasil para ver algo de ameaçador nos tuítes do general. O troço só serve para mostrar quem está louco para aderir a alguma irresponsabilidade. ( Carlos Andreazza)

REAÇÃO DA OAB

“A OAB, no seu papel de tribuna da cidadania e defensora intransigente do Estado democrático de Direito, conclama a nação a repudiar qualquer tentativa de retrocesso e reitera sua determinação em continuar apoiando a luta pela erradicação da corrupção em nosso país, na estrita observância do que determina a Constituição. Para os males da democracia, mais democracia. Não podemos repetir os erros do passado”, diz o dirigente do órgão.

“O país vive hoje seu mais longo período democrático, iniciado com o fim da ditadura militar. Nossa jovem democracia já criou instituições sólidas e capazes de lidar com erros e acertos. É preciso aprimorá-las, como tem sido feito a partir do uso de ferramentas e mecanismos constitucionais. Não existe solução para o Brasil à margem da Constituição”, afirmou Lamachia.
Claudio Lamachia,presidente da OAB

 

REAÇÃO DO MINISTRO DA JUSTIÇA

O ministro Raul Jungmann, da Segurança Pública e até pouco mais de um mês atrás titular do Ministério da Defesa, disse na terça-feira (4) ao BR18 que o governo viu na postagem do general Eduardo Villas Bôas, comandante do Exército, no Twitter, um “chamamento ao bom senso, à serenidade e ao respeito às instituições”.

Conforme o BR18, do Estadão, para o ministro, o general fala para os públicos interno (militares) e externo sobre respeito à Constituição. “O general é alguém muito aferrado à legalidade”, disse o ministro.

 

REAÇÃO DO PRESIDENTE DA CÂMARA

 

Em resposta às declarações do comandante do Exército, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu que órgãos do Estado cumpram suas funções, mas com respeito à Constituição.

“Em momentos de turbulência, quando setores da sociedade se posicionam de diferentes formas, não se deve questionar o respeito à Constituição. Cada órgão do Estado deve seguir exercendo suas funções nos limites estabelecidos por ela. É hora de buscar a união do país com serenidade”, disse em nota o presidente da Câmara e pré-candidato à Presidência da República.

 

O vice-presidente do Senado, Cássio Cunha Lima (PSDB-PB), disse que as declarações do general Eduardo Villas Bôas demonstram um “sentimento de preocupação com os destinos do país”.

Para o senador, a fala é uma manifestação de cidadania.

“Não devemos pegar uma declaração isolada do general Villas Bôas. Ele tem uma série de declarações nos últimos tempos baseadas na estrita obediência à Constituição. E é nesse diapasão que ele se manifesta mais uma vez”, afirmou o senador tucano.

O presidente Michel Temer não comentou sobre o assunto.