Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Aliados de Bolsonaro, presidentes da Câmara e do Senado, rebatem críticas de Bolsonaro ao sistema eleitoral

APÓS BOLSONARO COLOCAR EM DÚVIDA O SISTEMA ELEITORAL BRASILEIRO, OS ALIADOS DE BOLSONARO, PRESIDENTE DA CÂMARA, ARTHUR LIRA)  E DO SENADO, RODRIGO PACHECO, DEFENDEM O SISTEMA,

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse nesta quinta-feira (28) que o sistema eleitoral brasileiro é “uma referência” e que “pensar diferente coloca em dúvida a legitimidade de todos os eleitos pelas urnas”.

Lira postou a declaração nas redes sociais um dia após o presidente Jair Bolsonaro ter afirmado que as Forças Armadas sugeriram ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma apuração paralela de votos por militares (veja mais abaixo).

“O processo eleitoral brasileiro é uma referência. Pensar diferente é colocar em dúvida a legitimidade de todos nós, eleitos, em todas as esferas. Vamos seguir — sem tensionamentos — para as eleições livres e transparentes”, afirmou Lira em suas redes sociais.

A fala de Bolsonaro também provocou a reação do presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco.

Ele escreveu em uma rede social que não tem “cabimento” duvidar da legitimidade do processo eleitoral no país, que a Justiça Eleitoral é eficiente e as urnas eletrônicas confiáveis.

“Não tem cabimento levantar qualquer dúvida sobre as eleições no Brasil. O Congresso Nacional é o guardião da democracia!”, afirmou o senador.

Pacheco disse ainda que a Justiça Eleitoral é eficiente e que as urnas eletrônicas são confiáveis.

“As instituições e a sociedade podem ter convicção da normalidade do processo eleitoral. A Justiça Eleitoral é eficiente e as urnas eletrônicas confiáveis. Ainda assim, o TSE está empenhado em dar toda transparência ao processo desde agora, inclusive com a participação do Senado”, escreveu o presidente do Senado.

BOLSONARO MENTIU AO DIZER QUE FOI IDEIA DO EXÉRCITO FAZER A CONTAGEM PARALELA DE VOTOS NAS ELEIÇÕES