Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Antonio Carlos Magalhães – Fatos de sua vida – Documentário

Sérgio Siqueira

Li em algum lugar que estaria em gestação um documentário sobre ACM, pelas mãos de Chico Kertész , diretor de “Axé: Canto do povo de um lugar” , disponível na Netiflix. ACM é um grande personagem com muitas nuances, que envolvem, poder , amor, ódio, polêmicas, malvadeza e ternura.
O cineasta e músico Jorge Alfredo chegou a tentar isso, me disse inclusive que tem muita coisa em cinema gravado, em mãos de Fernando Barros (Propeg), que na época não aprovou o título : “ A morte e a morte de ACM” . Em vídeo, quem organizou um arquivo fabuloso foi Lauro Passos, que trabalhava na Bahia Cinema e Vídeo e participou de muitas campanhas envolvendo o senador, ele era responsável pela direção de edição e imagem. Tive acesso a esse material quando a pedido de ACM Junior e Rosário, fui encarregado de dirigir e editar um vídeo de 15 minutos, que foi exibido para convidados depois da missa de 1 ano de sua morte. Além desse acervo, minha equipe entrevistou muita gente, como Cegonha o piloto de avião que viajou com ACM a Bahia inteira, Marcos Maciel, Tasso Jereissati, Sarney, Ivete Sangalo, Norberto Odebrecht, Paloma Amado, Fernando Barros, Fernando Vitta, Dona Canô entre outros. Nessas entrevistas tinha uma pergunta, que a partir dela pintou muita coisa surpreendente.

Conte uma história que nunca foi contada e agora pode ser contada ?
Sarney, com o semblante emocionado, contou os últimos momentos de Luiz Eduardo, quando ele e Antônio Carlos, de mãos dadas e sozinhos numa sala, vivenciaram toda a angústia daqueles momentos finais. Ele ficou bastante impressionado com os enfermeiros que saiam da sala aonde estava o deputado, molhados, como se tivessem tomado um banho de chuveiro de roupa e tudo, pelo esforço feito para salvar Luiz Eduardo. Sarney finaliza com a aparição de Dr. Tranchessi , que se abaixou junto a Antônio Carlos e disse apenas duas palavras.
“ NÃO DEU!”

As entrevistas tem perolas interessantes e as fitas brutas, assim como o acervo ficaram guardadas na TV Bahia. Me lembro de uma cena que usei, que é de pura picardia. Ele presidindo a sessão do senado lotada, quando o senador mineiro José Alencar pede a palavra e quando sentado vai falar, ouve de Antônio Carlos, a seguinte frase, que poderia ser encarada num primeiro momento, como uma grosseria.
“ SENADOR, LEVANTE-SE PARA FALAR “.
José de Alencar, que era um homem bastante simples, meio desconfortável e sem jeito, começa a abotoar o paletó e se justifica, pedindo desculpas e dizendo não ter se acostumado ainda ao ritual do congresso, era um novato nessas coisas. Antônio Carlos pega então a palavra de novo e arranca risos de cumplicidade da plateia ao afirmar :
“ É PARA QUE MINAS POSSA VÊ-LO POR INTEIRO”

ACM é um personagem rico para qualquer documentarista, um animal político que buscava sempre o poder. Tasso Jereissati o comparava a um pop star e já presenciei isso nas suas entradas no restaurante Baby Beef, sempre acompanhado de muitas pessoas.Os que iam comer na sua mesa, não ousavam entrar antes dele chegar, ficando todos esperando na porta e quando juntos entravam com ele a frente, era uma rebuliço, parecido mesmo com o burburinho que acontece quando um artista popular chega num local cheio de gente.
Nesse vídeo póstumo que dirigir, abri com uma piada, que no fundo representa tudo isso, poder, admiração, bajulação. A narrativa foi feita pelo ator Dody So , com trechos em “off” coberto por imagens de arquivo que traduziam a piada contada, parecendo uma coisa real. O vídeo começava com ACM sendo carregado pelo povo numa dessas cidades do interior, com muitos foguetes, multidão, gritaria, entrando na sequência o seguinte texto:
Interior do estado, a campanha pegando fogo, Seu Manoel tenta a qualquer custo chegar junto do senador e não consegue. Quando a Comitiva dobra uma esquina, seu Manoel dribla os seguranças, chega por trás de Antônio Carlos e grita :
“ Senador, só tem duas pessoas nessa vida por quem eu mato e morro e uma é o senhor!”
Nesse momento, uma imagem mostra Antônio Carlos, olhando para trás, dando veracidade a cena coberta pelo seguinte texto.
Curioso, Antônio Carlos vira-se para ele e pergunta :
E quem é o outro ?
Rápido seu Manoel dispara :
INDIQUE ,SENADOR, INDIQUE!

As entrevistas revelam muitas coisas , nas entrelinhas.
Mario Kertész fala com detalhes do episódio da derrubada da invasão de Ondina, aonde tinha rico, pobres e militares. Diz que realmente ACM tinha a autorização da justiça, mas, para derrubar determinado número de casas e quando lá chegou, por sua conta e vontade, mandou derrubar todas, passando por cima da lei.
Fernando Vitta fala do episódio do lançamento do Brasilsat, que nunca saiu na imprensa, quando aborrecido por não ter conseguido abatimento no seguro com os americanos, resolveu numa atitude inesperada, lançar o foguete sem seguro, ironizando ainda um comandante da base, que lhe perguntou como tinha ficado a questão do seguro, tirando do bolso do paletó um punhado de fitas do senhor do Bonfim e dizendo em alto e bom som :
OLHA O SEGURO AQUI
São centenas de histórias, claro que há de se ouvir , os amigos e os inimigos, a igreja e os terreiros, sei que existe uma documentação em vídeo riquíssima. Pude ter acesso a quase tudo, pois na sequência fiz também um vídeo em homenagem a Luiz Eduardo e colaborei transcrevendo algumas entrevistas, para o livro ACM em Cena, que teve o preparo editorial de Antônio Risério. Torço para que este acervo esteja guardado, pois é um valioso material histórico. ACM, influenciou até na Aldeia Hippie de Arembepe, mas esta é outra história.