Após protestos Santander encerra exposição

A exposição de arte  Queermuseu – Cartografias da diferença na América Latina, patrocinado pelo  Santander Cultural em Porto Alegre, foi encerrada de forma antecipada. Iniciada em 16 de agosto,estava previsto que seria encerrada no dia 08  de outubro.

De origem inglesa o termo é utilizado para designar pessoas que não seguem o padrão da heterossexualidade ou de gênero definido

 

 

No início da tarde, o Santander Cultural emitiu uma nota em que afirmou estar recebendo diversas manifestações críticas a respeito da exposição e confirmou o encerramento da mostra neste domingo. “O objetivo do Santander Cultural é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia”, diz o texto. “Desta vez, no entanto, ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo. Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana”, afirma a nota da instituição.

Na exposição havia desrespeito a religião católica, e incentivo a pedofilia, zoofilia e erotização infantil.

Hóstias ( símbolo sagrado dos católicos que representa o corpo de cristo) estava com nomes pornográficos: Vulva, cu, língua, ânus, vagina.

 

A exposição foi feita com dinheiro público ( liberado no governo Dilma  pela lei Rounet)

NOTA DO SANTANDER SOBRE A EXPOSIÇÃO QUEERMUSEU

Nos últimos dias, recebemos diversas manifestações críticas sobre a exposição Queermuseu – Cartografias da diferença na Arte Brasileira. Pedimos sinceras desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra.

O objetivo do Santander Cultural é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia. Nosso papel, como um espaço cultural, é dar luz ao trabalho de curadores e artistas brasileiros para gerar reflexão. Sempre fazemos isso sem interferir no conteúdo para preservar a independência dos autores, e essa tem sido a maneira mais eficaz de levar ao público um trabalho inovador e de qualidade.

Desta vez, no entanto, ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo. Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana.

O Santander Cultural não chancela um tipo de arte, mas sim a arte na sua pluralidade, alicerçada no profundo respeito que temos por cada indivíduo. Por essa razão, decidimos encerrar a mostra neste domingo, 10/09. Garantimos, no entanto, que seguimos comprometidos com a promoção do debate sobre diversidade e outros grandes temas contemporâneos.

1 Comment

  1. Segundo o site do Ministério da Cultura, o banco Santander investiu quase 1 milhão de reais, usando os benefícios fiscais da Lei Rouanet, na exposição.

    Conforme o vídeo, a exposição estava incentivando as novas gerações a não respitarem Deus, está atitude deste cidadão aí é sim correta pois apenas está mostrando e provando que estão querendo destruir todas as bases do nosso povo!

    E ainda dizem que o Brasil é contra a pedofilia

    Minha sugestão é que todos os correntistas que se sentiram ofendidos mudem para outro banco

Leave a Reply