As derrotas da Lava Jato – Processos baseados em delações sem provas

Um levantamento feito pelo jornal O Estado de São Paulo, mostra que o relator da Lava Jato no STF, Edson FAchin, tem sofrido derrotas nos julgamentos da 2ª turma.
Entre 30 votaçõe Fachin perdeu 13 vezes, desde que assumiu a relatoria da operação, em fevereiro de 2017.

Destaques:

A absolvição de Geleise Hoffmann e do deputado federal Nelson Meurer.

Segundo o Estadão, Fachin:

“Foi derrotado no julgamento de recebimento de denúncias apresentadas pela Procuradoria-Geral da República contra parlamentares, sobre a manutenção ou não de prisões e sobre o compartilhamento de trechos de delações premiadas com o juiz Sérgio Moro.”

A segunda turma é formada por Fachin, Gilmar, Lewandowski, Dias Toffoli e Celso de Mello).

A absolvição de Meurer da acusação de receber propina travestida de doação eleitoral e a decisão de inocentar Gleisi por caixa 2 foram recebidas com preocupação por investigadores, já que muitos casos da Lava Jato tratam de políticos com denúncias similares. 

De todos os ministros o mais crítico contra os trabalhos do MP está Gilmar Mendes

Como a maioria das acusações contra os políticos são situações semelhantes as do casos Gleise e Meurer, existe a preocupação da Lava Jato que ocorra muitas absolvições.  Isso é devido a falhas no MP em cujos processos são baseados em delações sem provas e Caixa 02.

Fachin informou, em nota, que é “equivocado o conceito de derrota ou de vitória de magistrado integrante de colegiado”. “Juiz não tem causa, é a parte ou são terceiros interessados que têm sucesso ou insucesso no resultado de suas demandas”, disse.

Informações do Jornal O Estado de São Paulo