Associação Nacional dos Delegados da PF afirma que existe crise de confiança

Em carta aberta a Jair Bolsonaro, a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) afirma haver uma “crise de confiança” na indicação do novo diretor-geral da corporação.

No texto, os delegados cobram do presidente compromisso com a autonomia e com o mandato para o cargo de chefe da instituição.

“O último comandante da PF que assumiu o órgão em contexto semelhante teve um período de gestão muito curto. Qualquer eventual ordem de intervenção cumprida pelo novo DG, que acreditamos que nenhum delegado o fará, necessariamente o levará ao mesmo destino ou até a uma situação pior.”

A ADPF cita ainda o episódio protagonizado por Fernando Segovia, escolhido por Michel Temer quando o então presidente era investigado pela PF no inquérito dos portos.

“Da maneira como ocorreu, há uma crise de confiança instalada, tanto por parte de parcela considerável da sociedade, quanto por parte dos delegados de Polícia Federal, que prezam pela imagem da instituição. Nenhum delegado quer ver a PF questionada pela opinião pública a cada ação ou inação. Também não quer trabalhar sob clima de desconfianças internas. O contexto criado pela exoneração do comando da PF e pelo pedido de demissão do ministro Sergio Moro imporá ao próximo Diretor um desafio enorme: demonstrar que não foi nomeado para cumprir missão política dentro do órgão. Assim, existe o risco de enfrentar uma instabilidade constante em sua gestão”, diz a carta.