Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Barroso volta a alfinetar Bolsonaro

Sem citar o nome do presidente Bolsonaro, o presidente do TSE e ministro do STF, Luis Barroso manda recado para quem deseja desacreditar do resultado das eleições por não se conformar com a iminente derrota.

Em seu discurso de despedida à frente da presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Luís Roberto Barroso voltou a criticar nesta quinta-feira ações tomadas pelo presidente Jair Bolsonaro para desacreditar o sistema de votação.

Barroso comparou a atuação de Bolsonaro a uma “repetição mambembe” do que fez Donald Trump, presidente dos Estados Unidos que foi derrotado em sua tentativa de reeleição e que disse –sem apresentar provas– que teria havido fraudes no pleito daquele país.

Em sua fala, Barroso afirmou que houve uma discussão “requentada” sobre a adoção do voto impresso das urnas eletrônicas que só tinha como objetivo tumultuar o processo eleitoral.

“Aqui no Tribunal Superior Eleitoral procuramos fazer a nossa parte na resistência aos ataques à democracia. Aliás, uma das estratégias das vocações autoritárias, em diferentes partes do mundo, é procurar desacreditar o processo eleitoral, fazendo acusações falsas e propagando o discurso de que, se eu não ganhar, houve fraude”, disse Barroso.

“Trata-se de repetição mambembe do que fez Donald Trump nos Estados Unidos, procurando deslegitimar a vitória inequívoca do seu oponente e induzindo multidões a acreditar na mentira”, acrescentou.

O magistrado deixa o comando da Corte na próxima semana para o ministro Edson Fachin.