Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Biden prometeu caçar os culpados pelos atentados

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta quinta-feira, 26, que a filial afegã do Estado Islâmico pagará pelo atentado que deixou ao menos 12 militares americanos mortos e 60 afegãos no Aeroporto de Cabul. Biden disse ainda que a operação de retirada de americanos e aliado afegãos do país, que está há quase duas semanas sob controle do Taleban, não será interrompida.

Biden, no entanto, não deu detalhes sobre qual será a retaliação e ressaltou que o calendário de retirada não será alterado em virtude do ataque. O presidente americano se limitou a informar que passou instruções aos seus comandantes.

“Ordenei que desenvolvam planos operacionais para atacar os meios, liderança e instalações do ISIS-K. Responderemos com força e precisão em nosso momento, no lugar que escolhermos e no momento de nossa escolha”, disse.
“Aos que executaram esse ataque: Não perdoaremos nem esqueceremos. Caçaremos vocês e faremos vocês pagarem”, disse o presidente. “Os Estados Unidos não serão intimidados.”

“Até agora, não há evidências de que qualquer um dos comandantes no terreno tenha me dado que houve conluio entre o Taleban e o EI para levar a cabo o que aconteceu hoje”, disse ele.

Mais cedo, um duplo atentado suicida no Aeroporto Hamid Karzai, em Cabul, no Afeganistão, matou ao menos 12 militares americanos e 60 civis afegãos. O ataque foi o segundo mais letal para tropas americanas desde o início da ocupação e foi executado por dois homens-bomba que se explodiram em pontos distintos dos terminal. A filial afegã do Estado Islâmico, conhecida como Isis-K e rival do Taleban, reivindicou as explosões.

Biden ainda ofereceu condolências às famílias das vítimas do ataque. “As pessoas que perderam a vida eram heróis que participavam da retirada de milhares de americanos”, disse. Ele também lembrou que serviços de inteligência dos EUA já temiam uma ação do Isis-K – como é conhecido o grupo.