Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Bolsonaro e o crime de lesa pátria

“Bolsonaro pediu a Biden socorro contra Lula, segundo a Bloomberg. Parece ter se oferecido p/ estafeta dos interesses americanos em troca da ajuda, sabe-se lá qual. Como se a interferência americana tivesse sido pequena na Lava Jato. O q pensam os militares desse ato de soberania?”  (Reinaldo Azevedo)
O presidente Jair Bolsonaro (PL) teria pedido ajuda a Joe Biden para derrotar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nas eleições presidenciais deste ano. O pedido ao líder dos Estados Unidos foi feito durante uma reunião privada que os dois tiveram na última quinta-feira (9), segundo informações da agência de notícias Bloomberg.
Duas fontes da diplomacia brasileira confirmaram ao jornalista Jamil Chade, do Uol, que essa solicitação foi feita. A reunião ocorreu em decorrência da viagem de Bolsonaro aos EUA para participar da Cúpula das Américas, em Los Angeles.
Segundo fontes anônimas citadas pela agência, o presidente brasileiro expôs que Lula representa um perigo aos interesses americanos. Biden, teria ressaltado, entretanto, a importância de preservar a integridade eleitoral do Brasil e, ao receber o pedido de ajuda de seu par brasileiro, mudou o tema da conversa, segundo o relato da Bloomberg.
Procurados pela imprensa americana, nem o governo brasileiro e nem o americano comentaram a informação.
Pesquisas eleitorais colocam Lula em primeiro lugar na corrida ao Palácio do Planalto, com maior ou menor vantagem, dependendo do instituto que fez a sondagem. Em alguns levantamentos, o candidato petista venceria Bolsonaro ainda no primeiro turno. De acordo com a pesquisa Datafolha para presidente, divulgada no último mês, Lula tinha 21 pontos percentuais de vantagem sobre Bolsonaro, com 48% das intenções de voto. O atual presidente aparece com 27%.
Bolsonaro diz que “mudou” de opinião a respeito de Biden
O presidente Jair Bolsonaro afirmou que “mudou” de opinião a respeito de Biden, ao ser questionado a respeito dessa reunião privada. Ele comentou ainda que o encontro serviu como uma espécie de `’reaproximação” com o atual presidente dos EUA. Entretanto, o presidente brasileiro declarou que irá se reunir com o ex-mandatário norte-americano, Donald Trump, antes das eleições no Brasil.
“Conversei com ele essa semana e convidei como sempre. Ele quer, dois meses antes da eleição, encontrar comigo aqui ou lá”, afirmou.