Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Bolsonaro em plena Campanha eleitoral antecipada vai piorar a crise energética

“Meu bom Deus nos ajudou agora com chuva. Estávamos na iminência de um colapso. Não podíamos transmitir pânico na sociedade. Dói a gente autorizar ao ministro Bento, das Minas e Energia, decretar a bandeira vermelha. Dói no coração, sabemos da dificuldade da energia elétrica. Vou pedir para ele —pedir não, determinar— que volte a bandeira ao normal a partir do mês que vem”, declarou Bolsonaro  nesta quinta.(16/10)

Não se reduz preço de energia por decreto. Se ocorrer uma redução populista, eleitoreira e indevida, isso vai piorar a crise. Aumentar o consumo, prejudicar as concessionárias de energia e o no próximo ano,os preços terão que dobrar para compensar a redução de preço indevida

Com a redução da bandeira, esse custo seria jogado nos reajustes tarifários de 2022, pressionando a inflação também no ano que vem.

A manutenção do parque térmico sem a receita adicional impacta diretamente o caixa das distribuidoras de eletricidade, que são responsáveis por recolher dinheiro do consumidor para repassar aos geradores de energia.