Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Bolsonaro quer retirar de circulação o vídeo que fala dos imóveis da família

A divulgação de que a fortuna da família Bolsonaro foi construída com a compra de 107 imóveis, sendo 51 deles comprados com dinheiro vivo, tirou votos de Bolsonaro.

A equipe jurídica de Bolsonaro entrou com ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo a remoção do vídeo alegando que a produção emprega “discurso de ódio” com o “indisfarçado propósito” de “erodir” a candidatura do presidente à reeleição.

O vídeo, intitulado “escândalo tamanho família”, é uma das principais apostas do PT para barrar qualquer tipo de reação de Bolsonaro até o dia 2 de outubro.

 

“Mansão de 20 mil metros quadrados no interior de São Paulo; mansão no Rio de Janeiro; mansão de 6 milhões em Brasília. Esses são apenas 3 dos 107 imóveis comprados pela família Bolsonaro desde sua entrada na política”, diz o vídeo, que termina afirmando que “a investigação da imprensa revelou outro escândalo: 51 desses imóveis foram pagos em dinheiro vivo, no valor atualizado de 25 milhões. De onde vem tanto dinheiro vivo da família Bolsonaro? É um escândalo tamanho família”.

Para a campanha do presidente, o vídeo usa “mecanismos sofisticados de indução de pensamentos negativos”, degrada a “boa imagem” de Bolsonaro e tenta imputar a “sensação de que ele e seus filhos são agentes políticos desonestos”, “podendo produzir nefasto efeito multiplicador na rede mundial de computadores”.