Bolsonaro: "sou daltônico "todos têm a mesma cor"

O  Presidente   Bolsonaro não citou a morte de João Alberto  que foi assassinado  por  seguranças no supermercado  Carrefour, em Porto Alegre  e  comoveu o país.

“Não nos deixemos ser manipulados por grupos políticos. Como homem e como Presidente, sou daltônico: todos têm a mesma cor. Não existe uma cor de pele melhor do que as outras. Existem homens bons e homens maus. São nossas escolhas e valores que fazem a diferença”, escreveu Bolsonaro. “Aqueles que instigam o povo à discórdia, fabricando e promovendo conflitos, atentam não somente contra a nação, mas contra nossa própria história. Quem prega isso está no lugar errado. Seu lugar é no lixo”.

 

Nas redes sociais, Bolsonaro disse que o grande mal do Brasil é a corrupção. “Estamos longe de ser perfeitos. Temos, sim, os nossos problemas, esses muito mais complexos e que vão além das questões raciais. O grande mal do país continua sendo a corrupção moral, política e econômica. Os que negam este fato ajudam a perpetuá-lo”, afirmou. Logo depois, sem mencionar o crime que chocou o País, o presidente argumentou que não adianta dividir o sofrimento do povo brasileiro em grupos.

ao elogiar os brasileiros, ele culpou adversários pelo que chamou de “divisão” do País. “Foi a essência desse povo que conquistou a simpatia do mundo. Contudo, há quem queira destruí-la, e colar em seu lugar conflito , o ressentimento, o ódio e a divisão entre classes, sempre mascarados de “luta por igualdade” ou “justiça social”, tudo em busca do poder”, afirmou.