Bolsonaro volta atrás e diz a seus manifestantes radicais que quer Congresso e STF abertos

Depois de discursar em um ato pró-intervenção militar e com faixas de apoio ao AI-5 em Brasília, no último domingo, 19, o presidente Jair Bolsonaro negou ser ditatorial. Ele falou com apoiadores e com a imprensa em frente ao Palácio da Alvorada na manhã desta segunda-feira.
Um apoiador pediu para que o presidente fechasse o Supremo Tribunal Federal e Bolsonaro disse que não o faria, que queria um Supremo Tribunal Federal e um Congresso Federal fortes e transparentes. “Aqui é democracia, aqui é respeito a Constituição Brasileira”, disse.

 

O presidente afirmou que a pauta do ato do domingo, Dia do Exército, era a volta ao trabalho e a ida do povo para a rua. Bolsonaro também responsabilizou “infiltrados” na manifestação por gritos e faixas que pediam fechamento do Congresso, STF e pediam a volta do Ato Instituicional n° 5, usado no regime militar para punir opositores ao regime e cassar parlamentares.

“Em todo e qualquer movimento tem infiltrado, tem gente que tem a sua liberdade de expressão. Respeite a liberdade de expressão. Pegue o meu discurso, dá dois minutos, não falei nada contra qualquer outro poder, muito pelo contrário. Queremos voltar ao trabalho, o povo quer isso. Estavam lá saudando o Exército Brasileiro. É isso, mais nada. Fora isso, é invencionice, é tentativa de incendiar uma nação que ainda está dentro da normalidade”, disse o presidente.

 

O PRESIDENTE EM NENHUM MOMENTO REPREENDEU OS QUE GRITAVAM CONTRA OS PODERES, ELE TAMBÉM CITOU  E APONTOU O STF QUE LEGALMENTE IMPEDIU ELE DE INTERFERIR NOS ESTADOS E MUNICÍPIOS PARA O FIM DA QUARENTENA.

 

ESSE SUJEITO QUE FALOU COM ELE NESTA SEGUNDA- FEIRA, FOI PREVIAMENTE COMBINADO. BOLSONARO VOLTOU ATRAS , APÓS UMA VIOLENTA REPROVAÇÃO DE TODA SOCIEDADE, INCLUSIVE DOS GENERAIS