Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Bolsonero toca fogo na economia do Brasil que já está em crise

Com sua arrogância típica dos ditadores, Bolsonaro demitiu, Castelo Branco,  presidente da Petrobras, como se a demissão  fosse resolver o alto preço dos combustíveis. . Ele quer mostrar serviço para seus adeptos e arranjar um bode expiatório.
Castelo Branco  foi demitido apenas por ter dito que nada tem com caminhoneiros. e em seguida, Bolsonaro disse por vingança: haverá consequências.
Bolsonaro usa a Petrobras para fazer populismo prejudicando a economia do país apenas para agradar um dos seguimentos de seus eleitores: os caminhoneiros.
As consequências disso são essas:
Aumento do dólar
Fuga de investidores

O anúncio da demissão do presidente da Petrobras, causou a empresa um ´prejuízo de R$ 28 bilhões só no primeiro dia  e pode chegar a R$  100 bilhões. Esse prejuízo vai se refletir em outras empresas que dependem da Petrobras, causando mais desemprego. Isso dificulta as reformas econômicas e a retomada do desenvolvimento da economia do país.

Ao abrir mão de cobrar impostos para o óleo diesel ,por dois meses para agradar os caminhoneiros, o governo assume um rombo de 5 bilhões nas contas públicas  e esse prejuízo terá que ser compensado ou com aumento de impostos ou com a retirada de verbas de outros setores. (economia, saúde, segurança, educação).

Após verificar quedas nas pesquisas, Bolsonaro toma atitudes populistas que na verdade comprometem o futuro do país e as consequências e os prejuízos vão para a população mais pobre. Fuga de capitais, aumento do dólar, impacta em toda vida econômica do país.(inflação, aumento de juros, desemprego).
No primeiro momento parece ser positivo, ( zerar o imposto do óleo diesel por dois meses, baixa o preço) mas depois vem a consequência, maior rombo nas contas públicas e necessidade de um aumento maior em meses subsequentes  para compensar.

Junte isso com o desmatamento  e queimadas na Amazônia , os desaforos pronunciados pelo presidente aos países parceiros, temos fuga de capitais, boicotes aos nossos produtos  e consequente redução dos investimentos e aumento de desemprego e inflação.. O Brasil está isolado do mundo civilizado e caminhando para o caos.

Bolsonaro ao destruir  o que resta de positivo da  economia,  assina sua derrota eleitoral. O país já mergulhado em crise sanitária, política, jurídica, econômica  vai se tornar ingovernável e os votos dos caminhoneiros não serão suficientes para ele se reeleger. A dor no bolso também  vai afetar os bolsomínios.

Sobre a demissão do presidente da Petrobras,  a jornalista e editora de economia, Miriam Leitão afirmou: “A Petrobras está sob intervenção de militares. O presidente da empresa e do conselho são um general e um almirante, o ministro da área, um almirante. A empresa perdeu R$ 50 bilhões de valor, no pregão de sexta-feira e no after market, e a governança foi violentada. Jair Bolsonaro alimentou a especulação, anunciou a mudança pelo Facebook e o fato relevante veio só depois. O general Joaquim Silva Luna foi um dos redatores da nota de ameaça ao Supremo em 2018. O ministro da Economia, Paulo Guedes, virou um fantasma dentro do governo”,

Jorge Roriz

Foto reprodução. TheEconomist