Brasil perde o tricampeão mundial, Carlos Alberto

Sob a bandeira nacional, foi velado, na noite desta terça-feira, o corpo de Carlos Alberto Torres, capitão da Seleção Brasileira na campanha do tricampeonato da Copa do Mundo de 1970, no México, e vítima de um infarto fulminante nesta manhã, aos 72 anos, em sua casa, no Rio de Janeiro.

Houve demora na chegada do corpo do ex-jogador no auditório da sede da CBF, na Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, porque o carro da funerária quebrou a caminho do hospital no Recreio dos Bandeirantes, atrasando a cerimônia em duas horas.

Resolvido o problema, o velório foi iniciado por volta das 22 horas (de Brasília), para familiares e amigos próximos, contando também com a presença de vários ex-jogadores e companheiros de Carlos Alberto nas equipes pelas quais passou tanto como atleta quanto como técnico, além de amigos e familiares.

Nomes conhecidos, principalmente, do futebol carioca, como Roberto Dinamite, Mauro Galvão, Edinho, Petkovic, Gonçalves, Leandro Ávila e Bebeto estiveram no local, além do técnico do Flamengo, Zé Ricardo.

“Grande líder e capitão. Não só do Brasil, mas do futebol, por onde passou. Respeito, exemplo, capitão de uma Seleção que só tinha craques. É a vida, está descansando e vamos ficar aqui lembrando desse grande atleta e homem. Peguei ele no final da carreira, jogando contra, convivi com o filho. Nos encontrávamos sempre com diplomacia”, disse Roberto Dinamite. ( Gazeta Esportiva)