Cadeia para adversários e perdão para amigos de Bolsonaro

Cadeia para adversários e perdão para amigos de Bolsonaro

Onyx Lorenzoni , amigo do então candidato a presidência da República, Jair Bolsonaro, confessou publicamente em um vídeo que recebeu dinheiro de Caixa 2. da JBS. E ele mesmo disse que era macho porque cometeu o crime e tinha coragem de confessar. Bolsonaro na sua campanha eleitoral pregava o combate a corrupção  e prometia só escolher para os cargos, pessoas técnicas ,competentes e de reputação ilibada.

Após a eleição, Bolsonaro , quebrando uma das promessas de campanha, escolheu Onyx Lorenzoni  para ser ministro da Casa Civil (posteriormente ele foi para o ministério da Cidadania.)  Não ocorreu nenhuma manifestação de protesto pelos bolsonaristas pela escolha do corrupto confesso . O processo contra Lorenzoni foi aberto e na época o ministro da justiça, o Lavagista Sérgio Moro,  postergou sua execução e chegou a dizer  publicamente que Lorenzoni estava perdoado.  “Ele foi um dos poucos deputados que defendeu  a aprovação do projeto das 10 Medidas (contra a corrupção) mesmo sofrendo ataques severos da parte dos seus colegas. Quanto a esse episódio do passado, ele mesmo admitiu seus erros, pediu desculpas e tomou as providências para repará-lo”, disse o Moro.

Outros adversários da Lava Jato que cometeram o mesmo crime, foram execrados publicamente e alguns até mesmo presos.  Agora, o Procurador da República de bananas,  Augusto Arras,  outro amigo de Bolsonaro, fez um acordo com Lorenzoni. Ele vai pagar uma multa de R$ 189,00  e seu processo será arquivado. Corrigida pelo IPCA, a grana que Onyx levou de Joesley Batista corresponde a aproximadamente R$ 421 mil, a preço de hoje. Em outras palavras ele vai pagar um valor menor  do que recebeu.

Essa é  a justiça da Lava Jato de Moro. Seletiva, política. Para os amigos, o perdão. Para os inimigos, a desmoralização pública e até mesmo prisão.

Lembrando que o acordo depende da homologação do STF.

Jorge Roriz

A CONFISSÃO: