Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Mais Médicos prorrogado: Escravidão e manutenção da ditadura cubana

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou hoje (22) três medidas provisórias, entre elas a que prorroga o Programa Mais Médicos por três anos.

O prazo para a votação da MP vence dia 29 de agosto. O texto também segue para o Senado.

Segundo dados da Agência Brasil, o Mais Médicos hoje conta com 14 mil profissionais em locais que até então estavam carentes de atendimento – e 80% deles são cubanos. Mas, enquanto os outros estrangeiros recebem normalmente seus R$ 10 mil mensais, o governo brasileiro ignorou completamente a legislação trabalhista.  Os médicos só ficam com 30% do valor.

A lei que criou o Mais Médicos previa um prazo de até três anos para que os estrangeiros trabalhassem no programa sem validação do diploma. Há duas semanas, em um dos últimos atos antes de ser afastada, Dilma Rousseff prorrogou o contrato. Com isso, 7 mil profissionais, que teriam de voltar agora para seus países de origem, podem permanecer no Brasil.

A médica Ramona Rodríguez, a primeira a fugir da vigilância cubana no Brasil, disse ganhar menos de 10% do que seus pares de outros países recebiam.

73% dos que atuam são estrangeiros  a maioria  de cubanos. Vamos incentivar os brasileiros a participarem, mas não haverá mudança no programa”, disse o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

A intenção é que os médicos estrangeiros fiquem apenas em vagas de difícil preenchimento, como em comunidades indígenas e em cidades isoladas.

O GOVERNO TEMER PRECISA ACABAR COM A REMESSA DE GRANDE PARTE DOS SALÁRIOS DOS MÉDICOS PARA CUBA. O  MÉDICO CUBANO DEVE RECEBER AQUI NO BRASIL O SEU SALÁRIO INTEGRAL.