Covid-19-Novos recordes de casos amplia restrições na Europa

Durante as últimas semanas, os países europeus tentaram retardar a propagação de uma segunda onda de infecções por coronavírus por meio de restrições específicas e localizadas, destinadas a evitar os bloqueios nacionais impostos na primavera no hemisfério norte. Mas com o mundo registrando um novo número recorde de mais de meio milhão de casos de covid-19 em um único dia e mais de 7 mil mortos, as medidas precisaram ser ampliadas.

Com países como França, Itália e Reino Unido relatando o maior número de mortes em meses, e a Alemanha enfrentando casos crescentes nesta semana, as autoridades agora estão lutando para reimpor medidas drásticas para conter o aumento de infecções e hospitalizações que podem resultar em mais mortes do que durante a primeira onda da pandemia.

A Alemanha decidiu impor as restrições mais duras desde um “lockdown” ocorrido durante a primavera no hemisfério norte. O acordo para impor uma paralisação parcial de um mês foi acertado pela chanceler Angela Merkel depois de conversas com líderes dos 16 Estados do país, afirmou a Bloomberg.

O presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou nesta quarta-feira, 28, um novo confinamento nacional para conter o aumento de casos a partir da sexta-feira e pelo menos até 1º de dezembro.

Com mais de 61 mil mortes por coronavírus, a Grã-Bretanha foi o país mais atingido na Europa, com um aumento de mortes em excesso que não atingiu os picos vistos na Itália ou na Espanha, mas que durou mais.

Estamos profundamente na segunda onda agora”, disse Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, braço executivo do bloco, em entrevista coletiva. “Nossas expectativas são de que esses números aumentem nas próximas semanas e aumentem rapidamente.” /AP, New York Times