Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

CPI com Zé Carioca – Tumulto previamente anunciado

O empresário Luciano Hang foi para a CPI com o objetivo de tumultuar, se vitimar e toda tropa de choque bolsonarista está presente

A sessão foi temporariamente suspensa, após o presidente da CPI,Omar Aziz, ter solicitado a retirada de vários advogados do empresário, permitindo que fique apenas um. Ele começou a CPI exibindo um vídeo que na verdade era apenas uma propaganda de sua empresa.

O depoimento de Hang começou tumultuado na CPI. Houve bate-boca entre o grupo majoritário e os governistas. O senador Rogério Carvalho (PT-SE) chegou a pedir a retirada do advogado do empresário na sala da comissão após o defensor ter supostamente ofendido o parlamentar. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), determinou a apreensão de placas que Hang levou para a comissão pela Polícia do Senado. Uma delas tinha a frase “não me deixam falar”. Durante o depoimento, o empresário ainda irritou os senadores ao chamar o senador pelo primeiro nome, “Omar”.

“Acabei me tornando a voz de milhões de brasileiros”, diz Hang, possível candidato a senador por SC. (Ele acaba de citar Martin Luther King!)

Luciano exibiu um vídeo fazendo propaganda de sua empresa.
Para evitar atrito logo de início, o presidente da CPI, Omar Aziz deu a Luciano Hang um espaço publicitário que custaria à empresa dele milhões de reais
“Não sou e nunca fui contra a vacina”, completa o empresário #CPIdaCovid

Aziz pergunta quem dizia. Hang diz: “O povo”.

Luciano Hang mentiu há pouco ao dizer que “o povo” foi quem espalhou que a Havan seria da filha da Dilma.

A desinformação foi compartilhada em 2015 pela hoje deputada extremista Carla Zambelli

Luciano Hang chama senador Omar de “Omar” e parlamentares reagem.

Eu, se tivesse condição, ia levar minha mãe na lua, e não na Prevent Senior não’, diz Omar Aziz a Hang

“O senhor não é mais honesto que ninguém aqui. Nem mais trabalhador. O senhor dá emprego, mas ganha dinheiro”

“Esse é o patriota que tem a Estátua da Liberdade na porta de sua loja. Liberdade para denegrir os outros, para mentir. E os palhaços vieram aqui hoje”, dispara Omar Aziz em mais um bate-boca