Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Desesperado com queda nas pesquisas, Bolsonaro xinga adversários e ataca STF –

 

Em discurso marcado por palavrões durante visita à Barragem de Oiticica, no Rio Grande do Norte,  Bolsonaro disparou ofensas e palavrões aos seus adversários

Durante a transição, após as eleições, estávamos conversando sobre o que estava acontecendo com o governo anterior, como estava o governo. Descobrimos que a Funai tinha um contrato de R$ 50 milhões para ensinar o índio a mexer com Bitcoin. Ah, vá para a puta que pariu, porra. Desculpe o palavrão”, afirmou Bolsonaro.

O presidente fez referência à suspensão realizada pela ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, a respeito de um contrato de R$ 44,9 milhões previsto entre Funai e a Universidade Federal Fluminense, a respeito do uso da criptomoeda. Bolsonaro fala reiteradamente do projeto desde 2019.

Caindo nas pesquisas e sabendo da derrota ele disse:  “Querem botar o fala mansa lá? Botem. Quem vai pagar a conta? Vocês, pô”, afirmou Bolsonaro. “Desviaram R$ 2 trilhões. E tem gente que tem saudade desses canalhas. Todo mundo sofre no Brasil em consequência desses canalhas.”

Com indiretas ele ataca o STF:  “Não prendi deputado, não desmonetizei página de ninguém”, declarou, em crítica indireta à Suprema Corte. “Alguns falam que presidente é mal-educado, fala palavrão, mas eu não roubo”.

Ele sabe que a inflação afeta sua popularidade e dispara “Não tenho poder de chegar na Petrobras e falar ‘está congelado, diminui preço do combustível’. Até gostaria de ficar livre da Petrobras, porque me acusam de uma coisa que não tenho responsabilidade”, acrescentou, jogando a culpa da alta dos preços de combustíveis em governadores pela cobrança de ICMS.

Bolsonaro disse  não errou em nenhum momento durante a pandemia de covid-19 e voltou a usar expressões pejorativas para se referir a nordestinos. “Minha esposa é filha de um cabra da peste, de um cabeça chata”.