Dívidas com cartões de créditos – Conselhos uteis

“Se um político mata 100 mil pessoas c/ corrupção, um agiota oficial mata 10 milhões c/ a corrupção dos juros compostos que a Constituição proíbe e que consome 44% do orçamento enquanto 3,9% vai para saúde! Mas aí não aparece nem MPF lacrador p/ comentar!” Felipe Olivetti
OS JUROS DOS CARTÕES DE CRÉDITOS É UM ROUBO LEGALIZADO QUE ESTÁ DESTRUINDO AS FAMÍLIAS.
Embora o governo tenha reduzido ainda é uma das taxas mais altas do mundo.
Não negociem valor da fatura ( juros maiores/ embora menor que o rotativo ou o pagamento do mínimo)

Negociem o valor total do débito,que inclui o pagamento dos débitos futuros. (pergunte o valor total da dívida, qual a taxa de juros cobrada no refinanciamento do total) Não parcela em mais de 10 parcelas fixas. ( no prazo maior a prestação é menor, mas no total, o pagamento é maior)

Peça cancelamento do cartão ( não compra mais nada e não gasta com mensalidade) até a quitação.

NÃO PEÇA EMPRESTADO PARA PAGAR EMPRÉSTIMO ISSO É LOUCURA. VC APARENTEMENTE RESOLVE O PROBLEMA NO MOMENTO É CRIA UM PROBLEMA MAIOR PARA O FUTURO.
O USO DO CARTÃO DE CREDITO PODE SER UMA DOENÇA IMPULSIVA,, UM VÍCIO. AUMENTA A ADRENALINA E SENSAÇÃO DE PODER.

PEÇA A UM AMIGO, PARENTE, OU NO ÚLTIMO CASO, EMPRÉSTIMO PESSOAL NA CONTA CORRENTE) JUROS BEM MAIS BAIXOS.

NÃO SE DESESPERE COM PRESSÕES,, TELEFONEMAS, COBRANÇAS. AMEAÇAS “JUDICIAIS” ISSO É SÓ PRESSÃO PSICOLÓGICA. VOCÊ NÃO SERÁ PRESO E NÃO TERÁ SEUS BENS APRENDIDOS.
PAGUE EM CONDIÇÕES PLANEJADAS. (VALOR TOTAL DO DÉBITO) E PRESTAÇÕES FIXAS QUE CABEM NO SEU ORÇAMENTO COM NÚMERO PEQUENO DE PARCELAS. MÁXIMO DE DEZ.

“A pessoa tem necessidade de adquirir demais e não tem um planejamento adequado. Esse transtorno compulsivo independe da condição socioeconômica. O que vai acontecer é que a pessoa vai acumular dívidas proporcionais ao seu nível econômico”.

Doença

“A chamada oniomania é a doença que se caracteriza por um vício em comprar ou gastar dinheiro. A pessoa não consegue controlar seus impulsos e acaba gastando mesmo quando já está cheia de dívidas.

É como se o ato de comprar trouxesse uma libertação, explica a especialista. Quem tem esse vício sente um misto de poder com prazer na hora de passar o cartão de crédito que faz com que se esqueça de qualquer saldo negativo no banco. É uma sensação que seduz e leva os gastadores compulsivos a caírem na tentação e a fazerem mais e mais dívidas.

As desculpas para os gastos podem ser de todo o tipo. “Vou comprar esse sapato porque PRECISO”; “vou me dar esse terno porque MEREÇO”; “está na promoção, metade do preço, NÃO DÁ PARA NÃO comprar”, são alguns exemplos, conforme explica a psicóloga Tatiana Zambrano. O problema chega com a fatura do cartão – que vem acompanhada de uma taxa de juros bem alta, caso não seja paga no valor integral.

“Eu sempre achava que, de alguma forma, alguém iria pagar aquilo para mim. A fatura ia chegar, e alguém ia acabar pagando”, contou Larissa.

Quando começou sua recuperação, ela cortou todos os cartões de crédito e gastava só o dinheiro que tinha na carteira. Mas um dia teve seu celular roubado e se permitiu uma nova compra a prazo para substituí-lo”. ( BBC Brasil)