Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Para evitar impeachment, Dilma usa tática que PT criticou à época de Collor

O PT e a presidente Dilma Rousseff tentam a todo custo confundir a opinião pública e dizer que impeachment é golpe, mesmo após inúmeros magistrados do Supremo Tribunal Federal (STF) já terem declarado que o procedimento é constitucional. Além disso, para buscar reverter o processo, o governo apela à distribuição de cargos no primeiro escalão do governo, com o objetivo de cooptar parlamentares indecisos. A prática é a mesma que o PT condenava em 1992, quando tramitava no Congresso o processo de impeachment do então presidente Fernando Collor.
De acordo com o jornalista Josias de Souza, a diferença é que agora o PT já não acha o fisiologismo tão “execrável”.
Segundo o colunista, no esforço para obter 172 votos para barrar o impeachment e com a oficialização da saída do PMDB da base de governo, Dilma radicalizou a tática do fisiologismo. A presidente não negocia apenas com as cúpulas partidárias; abriu um verdadeiro varejão em que as emendas orçamentárias e algo como 500 cargos federais são ofertados em negociações individuais.
Os que hoje tentam difundir a tática de que impeachment é golpe, defendiam a prática como constitucional em 1992 e criticavam o fisiologismo de Collor para salvar o seu mandato. “Não devemos dar como ganha a batalha do impeachment, porque o governo não vacila em reunir ao seu redor o núcleo fisiológico e corrupto que sempre o sustentou, utilizando-se de verbas, cargos e Ministérios para conseguir 168 votos nesta Casa e arquivar o pedido de impeachment”, discursou o então deputado José Dirceu (PT-SP), do alto da tribuna da Câmara, em 1º de setembro de 1992. Hoje, Dirceu e Collor são protagonistas do escândalo do Petrolão.
Assim como Dirceu, na mesma sessão do dia 1º de setembro de 1992, o então deputado José Genoino (PT-SP) discursou: “A sociedade tem de optar entre os que querem acabar com a impunidade e os que querem que ela continue prosperando debaixo dos conchavos, das negociatas que levaram o país a esta decadência ética e moral.”
Na sessão de 22 de setembro de 1992, outro petista, Paulo Rocha (PA) também subiu na tribuna da Câmara para criticar Collor: “…Os governistas continuam apostando na compra de votos, através da distribuição de recursos da União a fundo perdido e da intermediação de verbas a parlamentares, para a rejeição do impeachment. Não podemos nos calar diante desse vergonhoso saque nas instituições públicas, dentro da lógica mais espúria do fisiologismo”.
Como Dilma, Collor também acusava os partidários do impeachment de golpistas e dizia que eles integravam um “sindicato do golpe”. Na mesma sessão do dia 9 de setembro de 1992, Aldo Rebelo (PCdoB-SP) ressaltou na época que o processo de impeachment guiava-se pela Constituição. “Quanto ao prazo para o direito de defesa do presidente da República, está este mais do que assegurado. Querem melhor proteção, querem mais democracia, querem mais direito de defesa do que esta Casa precisar de dois terços de seus votos para autorizar processo contra um corrupto? Para que mais proteção? Para que mais democracia? Para que mais direito de defesa? Para garantir a absolvição de um cidadão evidentemente envolvido em falcatruas?”, indagou Aldo, hoje ministro da Defesa no governo Dilma.
PrintFriendly and PDFImprimir

One Comment
  1. É inegável os crimes cometidos pela presidente, onde está claro o governo paralelo de Lula. Este não sai do planalto, alguém conhece algum ex-presidente que residisse no planalto, articula por debaixo dos panos uma aliança criminosa!?, vemos a falta de caráter de um governo que teve tudo para entrar para história de forma positiva, mas só não enxerga os crimes quem compactua com algum tipo de crime tbm, pois cidadãos honestos não defendem nem o PT nem qualquer outro governo corrupto! O PT entrará para história como o maior escândalo de corrupção do MUNDO!
    Lamentável que pessoas de baixa renda defenda um governo que não os representa. Veja a saúde, educação, PIB, desemprego! Agora veja a família de lula, seus filhos da noite para o dia se tornaram mega empresários, assim como a família de Dilma Rousseff.
    O que me causa espanto, é que como um cara que se aposentou pq perdeu um dedo, frente a tantos que esmolam aposentadoria, viveu como líder sindical e por ele sustentado, nunca teve um cargo político, nunca foi senador ou coisa parecida! Se tornar presidente??? Óbvio, pq se ele tivesse sido eleito a qualquer cargo político antes de ser presidente e se mostrasse esse ladrão incompetente, ele nunca teria sido eleito!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.