Futuro ministro Sérgio Moro admite acabar com visitas íntimas dos presos

O ex-juiz Sérgio Moro — exonerado na tarde desta sexta (16) do cargo de Juiz e anunciado como ministro da justiça do governo Bolsonaro, — comentou alguns temas polêmicos em entrevista concedida à IstoÉ,

O novo ministro disse que estuda acabar com as visitas íntimas: “É uma possibilidade”.

Qualquer mudança legislativa passa pelo Congresso ou STF. A exclusão da visita íntima poderá ter como consequências um aumento de crimes sexuais entre os presos, doenças pela privisão do sexo
e presos mais agressivos.
A visita íntima para presos não é uma exclusividade do Brasil e ocorre nos´países civilizados.

No Brasil, o direito foi formalizado em 1984 e, ao longo dos anos, ele também foi estendido a mulheres encarceradas, homossexuais e jovens infratores.

Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte não permitem as visitas conjugais nas prisões, mas os detentos de baixo risco podem receber licenças para ir até suas casas ver seus familiares. Nos Estados Unidos, o privilégio existe apenas em quatro estados — Washington, Califórnia, Nova York e Connecticut — e somente em cadeias estaduais. No Japão as visitas íntimas não são permitidas.

Arábia Saudita, México, Canadá, Índia, Israel, Irã, Catar,  Honduras, Espanha, França, Portugal, Uruguai,  Inglaterra, entre outros países, as visitas íntimas são permitidas.

ERNESTO RODRIGUES/ESTADÃO CONTEÚDO – 08.11.2018

Jorge Roriz.

 

Fontes:

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2012/09/120905_presos_japao_et.shtml

https://www.megacurioso.com.br/policia/100427-descubra-como-as-visitas-intimas-acontecem-pelas-prisoes-do-mundo.htm

https://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff2706200122.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.