Fux diz que, se não tomasse decisão sobre pedido de Flávio Bolsonaro, provas poderiam ser anuladas

Luiz Fux afirmou ao blog nesta quinta-feira (17) que suspendeu a apuração sobre movimentação financeira do ex-motorista Fabrício Queiroz porque, segundo ele, as provas coletadas na primeira instância envolvendo o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) poderiam ser anuladas na investigação do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) por violação da prerrogativa de foro privilegiado.

Não suspendi o caso. Enviei para o relator. Se eu não o fizesse, a investigação toda poderia ser prejudicada. Todo mundo sabe que não tenho hábito de suspender investigação”, declarou Fux.

Provas coletadas no caso que cita Flávio Bolsonaro deveriam ter sido encaminhadas pelo Tribunal de Justiça. Conforme o magistrado, isso não ocorreu.
Se Marco Aurélio Mello acolher a reclamação do senador eleito, “todos os atos na sindicância serão considerados nulos”.
“A investigação não foi anulada. A paralisação por poucos dias, quem vai decidir sobre isso é o ministro Marco Aurélio”, completou Fux.

As conclusões e justificativas de Fux não se sustentam:

Se Flávio Bolsonaro se negou a prestar depoimento por ” não ser investigado”
Por que ele entrou com uma reclamação no STF.?
Deputados e senadores só têm foro privilegiado para casos ocorridos durante o mandato e em função do mandato.

SE FLÁVIO BOLSONARO NÃO TOMOU POSSE, ELE NÃO É SENADOR.ELE FOI ELEITO SENADOR…(É DIFERENTE..)
ELE NÃO TEM FORO PRIVILEGIADO.
O PROCESSO ESTÁ SOB “SEGREDO DE JUSTIÇA” DESSA VEZ NÃO HAVERÁ VAZAMENTO DO SIGILO

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.