Governadores não vão obedecer novo protocolo de cloroquina

Eduardo Pazuello, ministro da Saúde interino, encaminhou ao presidente Jair Bolsonaro a proposta de um novo protocolo para uso da cloroquina em pacientes de Covid-19.

Pelas novas regras, os médicos serão liberados para prescrever o medicamento numa fase mais inicial da doença, e não apenas para casos graves, como acontece atualmente.

O esboço de protocolo, que será submetido à aprovação do presidente, estabelece dosagens máximas a serem aplicadas em determinado estágio da Covid-19, para tentar evitar complicações nos pacientes.

O Presidente Bolsonaro deseja que todos os pacientes de covid 19 recebam cloroquina no início da doença, mesmo sentindo sintomas leves. O problema é que o presidente não é médico e para que a medicação seja dada, isso depende do médico e com a autorização do pacientes.

Não cabe ao presidente receitar remédios. O aplicação da medicação, mesmo nos casos mais leves, DEPENDE DO MÉDICO.

Governadores já disseram que nada vai mudar.

Deixa estar. “A decisão deve ser do médico e do paciente, conforme a orientação atual”, disse Eduardo Leite (PSDB-RS). Já Helder Barbalho (MDB-PA) diz que vai manter as regras “como estão atualmente”.

 

Conselho Federal de Medicina (CFM) se reúne amanhã para começar a discutir com sociedades de especialistas o uso do anticoagulante heparina no combate ao coronavírus.