Guedes chuta o pau da barraca e diz que precatório não pode ser usado para Renda Cidadã

Contrariando o governo que planejava usar o adiamento do pagamento dos  precatórios ( dívidas da União transitada e julgada) para financiar o Renda Cidadã. O mesmo ministro da economia que estava ao lado do presidente na última segunda feira quando a medida foi anunciada, ontem em entrevista  descartou o uso dos precatórios.

A medida foi anunciada na segunda feira (28/09) com a presença do senador Márcio Bittar (MDB-AC), vice-líder do governo e relator da chamada PEC emergencial, do presidente Bolsonaro e do próprio Guedes.  Três dias depois, (30/03), Guedes descarta.

É lógico que sendo Paulo Guedes ministro da economia ele deveria se manifestar ser contra a medida antes de ser anunciada. A Impressão que fica é de que Guedes quer apenas segurar seu cargo obedecendo as ordens do presidente, mesmo sabendo que são ideias inviáveis. Após as críticas ele passou a ser contra o uso dos precatórios.

Se a decisão de usar os precatórios foi de Guedes, porque ele mudaria de ideia de forma tão rápida?

Isso sinaliza ao Mercado que o Brasil está sem comando. O Renda Brasil foi para o lixo e o Renda cidadã está na estaca zero.

Ontem, Guedes disse entender que os precatórios são “dívida líquida e certa” e acrescentou que o governo “vai pagar tudo”. Mas disse que é preciso examinar quando há despesas “subindo explosivamente”. “Não para financiar programas, que não é regular, não é uma fonte saudável, limpa, permanente, previsível. Mas é natural, se estamos querendo respeitar teto, passar uma lupa em todos os gastos”,