Líderes internacionais prestam solidariedade a Lula e ao país

Veja abaixo manifestações públicas de líderes internacionais

O presidente chileno Gabriel Boric afirmou no Twitter que “o governo brasileiro tem todo o nosso apoio diante desse ataque covarde e vil à democracia.”

 

O presidente colombiano Gustavo Petro disse que o “fascismo decidiu dar um golpe”. “Toda minha solidariedade a @LulaOficial e ao povo do Brasil. O fascismo decidiu dar um golpe. É urgente que a OEA [Organização dos Estados Americanos] se reúna se quiser continuar vivendo como uma instituição.”

 

O primeiro ministro espanhol Pedro Sanchéz também declarou apoio a Lula. “Todo meu apoio ao presidente @LulaOficial e às instituições livres e democraticamente eleitas do povo brasileiro. Condenamos categoricamente a invasão ao Congresso Nacional e fazemos um apelo pelo retorno imediato à normalidade democrática.”

 

O ministro das relações exteriores do México, Marcelo Ebrard, disse que o país condena qualquer ataque às instituições democráticas. “Após os acontecimentos no Brasil, expressamos o total apoio do México ao governo do presidente Lula, eleito por vontade popular. Rejeitamos qualquer atentado contra as instituições democráticas.”

 

O presidente do México, Andrés Manuel Obrador, disse que “Lula não está só”. “Condenável e antidemocrática a tentativa de golpe dos conservadores no Brasil incentivados pelas lideranças do poder oligárquico, seus porta-vozes e fanáticos. Lula não está sozinho, tem o apoio das forças progressistas de seu país, do México, do continente americano e do mundo.”

 

O ministro das relações exteriores da Argentina, Santiago Cafiero, também se manifestou. “Expressamos nossa solidariedade com @LulaOficial e levantamos nossas vozes em defesa da democracia brasileira.”

 

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, disse que está junto com o povo brasileiro para defender a democracia. “Estamos juntos com o povo brasileiro para defender a democracia e não permitir #NuncaMais a volta dos fantasmas golpistas promovidos pela direita.”

“Aqueles que tentam desrespeitar a vontade da maioria ameaçam a democracia e merecem não só a sanção legal correspondente, mas também a rejeição absoluta da comunidade internacional”, completou.

“Como presidente da #CELAC e do #MERCOSUL, coloco os países membros em alerta para que nos unamos nessa inaceitável reação antidemocrática que está tentando se impor no Brasil.”

 

 

O ministério das relações exteriores do Equador também se posicionou no Twitter sobre a invasão golpista em Brasília. “O Equador condena os acontecimentos contra a institucionalidade no Brasil e reitera seu apoio irrestrito à democracia e ao governo legitimamente eleito.”

 

O presidente da França, Emmanuel Macron, tuitou em português e em francês que as “instituições democráticas devem ser respeitadas”. “A vontade do povo brasileiro e as instituições democráticas devem ser respeitadas! O Presidente @LulaOficial pode contar com o apoio incondicional da França.”

 

 

A ministra das relações exteriores do Chile, Antonia Urrejola, disse que o país condena a invasão golpista em Brasília. O governo chileno soltou uma nota de apoio a Lula.

“O Governo do Chile manifesta sua profunda preocupação e contundente repúdio às graves agressões sofridas contra as sedes dos três poderes do Estado no Brasil. Ao mesmo tempo, expressa seu mais firme apoio ao Governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua confiança de que as instituições brasileiras sairão fortalecidas deste ataque das forças antidemocráticas”, diz o documento.

“Finalmente, o Chile continuará a trabalhar em conjunto com toda a região em defesa da democracia, promovendo a convocação dos mecanismos multilaterais correspondentes para analisar e responder a esta situação”, completa.

 

A Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC), composta por 33 países, também se manifestou em apoio ao governo do presidente Lula. “A Presidência Pro Tempore da CELAC manifesta seu apoio ao Governo do @LulaOficial , eleito pelo povo brasileiro, e repudia ações violentas contra as instituições democráticas brasileiras.”

 

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos também repudiou os ataques golpistas em Brasília. “#Brasil🇧🇷 #CIDH repudia ataques às instituições e à violência em Brasília, que representa um atentado contra a democracia. O direito de reunião deve ser pacífico, sem armas e com estrito apego ao estado de direito. Todos os repensáveis devem ser investigados e sancionados.”

 

O secretário de Estado dos Estados Unidos Antony Blinken se pronunciou no Twitter condenando a invasão golpista em Brasília e apoiando Lula. “Condenamos os ataques à Presidência, ao Congresso e ao Supremo Tribunal Federal hoje. Usar a violência para atacar as instituições democráticas é sempre inaceitável. Nós nos juntamos @lulaoficial pedindo o fim imediato dessas ações.”

 

Jake Sullivan, conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, afirmou no Twitter que o apoio do país “às instituições democráticas do Brasil é inabalável”.