Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Marta – “Poderíamos ter vencido”

Depois do empate de 3 x 3 com a Holanda, a jogadora Marta, desabafa:

“A gente sabia que seria difícil. Se a gente pensar em tudo que fez, acredito que fizemos um bom trabalho. Muita coisa precisa melhorar, principalmente o começo, contra uma equipe qualificada temos que estar sempre ligadas”, afirmou a brasileira em entrevista à TV Globo na saída de campo.

“No contexto geral, desempenhamos um bom papel contra uma das melhores equipes da atualidade. Temos um sentimento que podemos fazer mais. Foi equilibrado, podíamos ter saído com a vitória”, lamentou.

MAIS UM GOL E ELA SE IGUALA A ARTILHEIRA FEMININA DO FUTEBOL FEMININO OLÍMPICO.

Bem marcada, Marta brilhou pouco individualmente. Mesmo assim, ela marcou o segundo gol da seleção em cobrança de pênalti sofrido por Ludmila. Com o gol que marcou, Marta chegou a 13 em cinco edições de Jogos Olímpicos. Agora, a camisa 10 só precisa de mais um para alcançar Cristiane como a maior artilheira do futebol feminino nos Jogos Olímpicos.

O EMPATE DA HOLANDA VEIO DE UMA COBRANÇA DE FALTA.  UMA FALTA DESNECERRÁRIA QUE PODERIA TER SIDO EVITADA

FOI FEITA PELA JOGADORA LUDMILA  QUE ENTROU NO LUGAR DE MARTA. INCLUSIVE, LUDMILA  TOMOU O CARTÃO AMARELO POR TER RECLAMADO DA ARBITRAGEM.

 

Holanda e Brasil empataram por 3 a 3 na manhã deste sábado (24), pelo Grupo F dos Jogos Olímpicos de Tóquio. As holandesas ficaram à frente no placar em duas chances, mas as brasileiras chegaram a virar e cederam a igualdade logo na sequência. Miedema (duas vezes) e Janssen fizeram os gols das equipe holandesa. O time brasileiro marcou com Debinha, Marta (de pênalti) e Ludmila.