Médico brasileiro morto durante testes da vacina de Oxford recebeu placebo

O médico João Pedro Feitosa, voluntário brasileiro da pesquisa da vacina contra a Covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, morreu por complicações da doença. Contudo, ele não havia recebido doses reais da vacina e fazia parte do grupo de controle, ao qual um placebo é administrado. A informação foi confidenciada por um parente de Feitosa à agência Bloomberg nesta quarta-feira (21). A fonte não foi identificada.