Ministro da Educação vai extinguir a TV Escola

O ator e diretor Carlos Vereza saiu, na tarde desta sexta-feira, de uma reunião com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, em Brasília, de quem recebeu a notícia de que o MEC não renovará  o contrato com a Associação de Comunicação Roquette Pinto, a Acerp, responsável pela gestão da TV Escola desde a fundação em 1996.

“Fiz questão de pagar meu voo e meu hotel. Fiz de tudo para convencê-lo mas só ouvi argumentos burocráticos para acabar com uma TV de baixo custo”, contou o ator, que está morando em São Paulo por conta do programa Plano Sequência, no canal público. “Weintraub me disse que manteria o sinal (da TV) pelo menos até acabar meu programa. Falta exibir 21 entrevistas. Mas eu, sinceramente, não sei mais”, completou, desolado.

Segundo Vereza, o ministro alegou que o canal custaria, em 5 anos, ao Governo Bolsonaro, R$ 400 milhões. “Não sei se é verdade, mas pelo que sei o custo hoje é 0,06% do orçamento do MEC”. Vereza telefonou imediatamente ao diretor da Acerp, Francisco Campera, pedindo números.

A decisão pode gerar a demissão de cerca de 400 funcionários. E atinge também outros equipamentos culturais, como a Cinemateca, em São Paulo.