Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Nota do Ministério da Defesa

ompartilhe: 
Publicado em 07/07/2021 19h41 Atualizado em 07/07/2021 19h49

 

Brasília, 07/07/2021 – O Ministro de Estado da Defesa e os Comandantes da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira repudiam veementemente as declarações do Presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito, Senador Omar Aziz, no dia 07 de julho de 2021, desrespeitando as Forças Armadas e generalizando esquemas de corrupção.

Essa narrativa, afastada dos fatos, atinge as Forças Armadas de forma vil e leviana, tratando-se de uma acusação grave, infundada e, sobretudo, irresponsável.

A Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira são instituições pertencentes ao povo brasileiro e que gozam de elevada credibilidade junto à nossa sociedade conquistada ao longo dos séculos.

Por fim, as Forças Armadas do Brasil, ciosas de se constituírem fator essencial da estabilidade do País, pautam-se pela fiel observância da Lei e, acima de tudo, pelo equilíbrio, ponderação e comprometidas, desde o início da pandemia Covid-19, em preservar e salvar vidas.

As Forças Armadas não aceitarão qualquer ataque leviano às Instituições que defendem a democracia e a liberdade do povo brasileiro.

Walter Souza Braga Netto
Ministro de Estado da Defesa

Alte Esq Almir Garnier Santos
Comandante da Marinha

Gen Ex Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira
Comandante do Exército

Ten Brig Ar Carlos de Almeida Baptista Junior
Comandante da Aeronáutica

 

Omar Aziz

“Estão tentando distorcer minha fala e me intimidar. Não aceitarei! Não ataquei os militares brasileiros. Disse que a parte boa do Exército deve estar envergonhada com a pequena banda podre que mancha a história das forças armadas.”

Lídice da Mata:

“Não é o Omar Aziz que desrespeita as Forças Armadas. São generais como Pazuello e capitães como Bolsonaro, que são uma vergonha para a Nação.”

Noblat

“A nota das Forças Armadas configura uma clara intervenção no processo de apuração de crimes de corrupção pela CPI do Senado. Algo ainda mais grave do que a nota do general Villas Boas, à época comandante do Exército, que pressionou o STF a não libertar Lula em 2018.”

Felipe Santa Cruz ( OAB)

“É o respeito à Constituição que garante estabilidade, democracia e liberdade. O Legislativo, por meio da CPI, cumpre função de fiscalizar a administração pública – todos que a compõem. Descabida é toda tentativa de intimidar o Senado por estar cumprindo seu papel constitucional.”

André Marinho

“A interferência do Exército no debate público e na vida civil já ultrapassou os limites aceitáveis. Gostemos ou não do Congresso, gostemos ou não do Presidente, eles foram eleitos e devem ser cobrados pelo povo, no embate de forças da democracia. NUNCA pelas Forças Armadas.”