O discurso do condenado cachaceiro

 

Em seu último comício antes de se entregar à Lava Jato, neste sábado, 7, o ex-presidente Lula ressaltou falta de um habeas corpus para Marcelo Odebrecht. Inconformado com o que chamou de sua possível ‘prisão preventiva’, o ex-presidente evocou a situação do empreiteiro e do seu companheiro de partido, João Vaccari Neto. “Eles (a Lava Jato) tentaram me prender por obstrução de justiça. Não deu certo. Eles agora querem me pegar numa prisão preventiva.”

O petista disse que ‘se fosse bandido, ficaria calado’ no lugar de se pronunciar e pedir ‘as provas’. Ele, no entanto, questionou a situação de Vaccari, preso preventivamente desde abril de 2015 na Lava Jato, e citou seu delator, Marcelo Odebrecht, que foi capturado em junho de 2015 e em dezembro de 2017 passou para regime de prisão domiciliar.

 

“O Vaccari está preso há dois anos. O Marcelo Odebrecht gastou 400 milhões e não teve habeas corpus!”, afirmou Lula no comício.

‘Vou de cabeça erguida e vou sair de peito estufado de lá’.

“Não adianta eles acharem que vão fazer que eu pare. Eu não pararei, porque eu não sou um ser humano. Eu sou uma ideia”

E terminou o discurso chamando ao seu lado os pré-candidatos do PSOL e do PC do B, Guilherme Boulos e Manuela D’Ávila, “jovens representantes da nova geração”.Luiz Vassallo