Odebrecht pagou propina em 12 países – Valores chegam a 788 milhões de dólares

Nesta quarta-feira (21), o Departamento de Justiça dos Estados Unidos revelou  que a Odebrecht e seus “co-conspiradores” pagaram cerca de US$ 788 milhões (valores aproximados) em propinas em 12 países, incluindo o Brasil, entre os anos de 2001 e 2016.

O documento também diz que a Braskem admitiu o pagamento de US$ 250 milhões como suborno de 2006 a 2014.

As informações foram divulgadas por meio de um documento do órgão americano.

As duas empresas fecharam nesta quarta acordos de leniência com os governos da Suíça e dos Estados Unidos com o objetivo de suspender ações judiciais contra as companhias nos dois países.

A Odebrecht fez os pagamentos ao atuar em aproximadamente 100 projetos em Angola, Argentina, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru e Venezuela.

De acordo com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos, o montante era pago para “assegurar vantagem indevida e influenciar oficias estrangeiros, partidos políticos estrangeiros e candidatos políticos estrangeiros para obter e manter negócios em vários países pelo mundo”.

Ainda segundo o documento, a  Braskem “usou o sistema da Odebrecht” autorizou o pagamento de propina para políticos, partidos políticos brasileiros e um oficial da Petrobras.

“Em troca, a Braskem recebeu diversos benefícios, entre eles: tarifas preferenciais da Petrobras pela compra de matérias-primas utilizadas pela empresa; contratos com a Petrobras; e legislação favorável e programas governamentais que reduziram os passivos tributários da empresa no Brasil”, diz o texto.