OMS quer ajudar 1,3 bilhão de pessoas a parar de fumar durante pandemia

OMS quer ajudar 1,3 bilhão de pessoas a parar de fumar durante pandemia

A Organização Mundial da Saúde, OMS, anunciou esta sexta-feira uma iniciativa para ajudar 1,3 bilhão de usuários de tabaco a parar de fumar durante a pandemia de Covid-19. Falando a jornalistas em Genebra, o diretor-geral da agência, Tedros Ghebreyesus, disse que o objetivo é “ajudar as pessoas a ter acesso aos recursos necessários, como terapia de reposição de nicotina ou a um profissional de saúde.” Tedros lembrou que “fumar mata 8 milhões de pessoas por ano, mas se os usuários precisarem de mais motivação para abandonar o hábito, a pandemia é o incentivo certo.”
O projeto, liderado pela OMS, reúne parceiros da indústria, farmacêuticas e ONGs. A Johnson & Johnson Consumer Health, por exemplo, doou quase 40 mil adesivos de nicotina.
Na internet, será possível ter uma consulta com a primeira profissional de saúde digital da OMS, chamada Florença. Usando inteligência artificial, Florença esclarece mitos e ajuda as pessoas a criar um plano personalizado para desistir.
O recurso estará disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana, através de vídeo ou texto, e teve o apoio das empresas Soul Machines, Amazon Web Services e Google Cloud. Primeiro, a iniciativa será lançada na Jordânia. Nos próximos meses, chegará a todos os países do mundo.
CovidEsta sexta-feira, o mundo atingiu mais de 12 milhões de casos do novo coronavírus. Nas últimas seis semanas, os casos mais que dobraram.  Pelo menos 551 mil pessoas morreram. ]Tedros Ghebreyesus afirmou, no entanto, que para aqueles em situação de pobreza, a Covid-19 não é a única ameaça. Casos de sarampo, poliomielite e malária estão aumentando em muitas partes do mundo, porque os serviços de imunização pararam ou as cadeias de suprimentos foram interrompidas.

A OMS está tentando reiniciar a imunização de rotina e garantir a distribuição de suprimentos médicos em todo o mundo, mas o chefe da agência afirmou que “ainda há muito trabalho a ser feito.”

A OMS também continua investigando as origens do vírus. Dois especialistas da agência estão a caminho da China para se reunir com cientistas e estudar como a doença passou de animais e humanos.
Tedros disse que o trabalho destes profissionais “ajudará a preparar o terreno para a missão internacional liderada pela OMS.”
Na quinta-feira, a agência da ONU publicou novas orientações sobre a transmissão da Covid-19 através do ar. A agência admite agora a possibilidade deste tipo de transmissão em algumas circunstâncias.

Nas orientações, a OMS diz que “houve relatos de surtos de Covid-19 em alguns ambientes fechados, como restaurantes, boates, locais de culto ou locais de trabalho onde as pessoas passaram o vírus gritando, conversando ou cantando.”

A orientação explica que em locais fechados, lotados, sem ventilação adequada e onde as pessoas passam muito tempo com outras pessoas, a transmissão através de aerossóis “não pode ser descartada.” Apesar disso, “mais pesquisa é necessária urgentemente para investigar esses casos e apurar a sua importância na transmissão da Covid-19.”

A atualização acontece dias depois de ser noticiado que um grupo de engenheiros enviou uma carta para a OMS mencionando esta possibilidade. As conversas entre especialistas da agência e os autores da carta ocorrem desde 1 de abril.