ONU - Brasil é criticado pelos constanntes ataques à imprensa

ONU - Brasil é criticado pelos constanntes ataques à imprensa

Em discurso realizado nesta segunda (14), a ex-presidente do Chile e alta comissária da ONU para direitos humanos, Michelle Bachelet, incluiu o Brasil numa lista de 30 países que mais atacam jornalistas, direitos humanos e mecanismos de participação da sociedade civil na formulação de políticas públicas.

Também figuram na lista criticada por Bachelet países como Venezuela, China, Arábia Saudita, Mianmar, Síria, Belarus, Líbano, EUA e Polônia.

Filha de um militar morto pela ditadura do general Augusto Pinochet (de quem o presidente Jair Bolsonaro já se declarou um simpatizante), Bachelet vem criticando o governo brasileiro de forma recorrente. Além de condenar as críticas de Bolsonaro à imprensa, ela já reprovou publicamente a violência policial do Brasil.

Nesta segunda Bachelet também alertou para o crescente envolvimento de militares nos assuntos públicos do Brasil.

Além de ataques a jornalistas, a alta comissária da ONU condenou o Brasil por episódios de violência rural, violência policial, despejos de comunidades sem terra em plena pandemia e “pelo menos 10 assassinatos de defensores dos direitos humanos confirmados este ano”.

“Um número alarmante de defensores dos direitos humanos e jornalistas continua a ser intimidado, atacado e morto – particularmente aqueles dedicados a proteger o meio ambiente e os direitos da terra”, disse Bachelet, desta vez referindo-se a toda América Latina.

A representante da ONU também fez um apelo para que líderes de todo o mundo deixem de desacreditar jornalistas, sob pena de colocar tais profissionais em maior risco de ataques.

Fonte: Portal Imprensa

Bachelet também falou sobre o desmonte – ou “contínua erosão”, como definiu – de conselhos colegiados e outros órgãos de participação da sociedade civil no governo Bolsonaro.

“Peço às autoridades que tomem medidas fortes para garantir que todas as decisões sejam fundamentadas nas contribuições e necessidades de todas as pessoas no Brasil”, disse.

Segundo o jornalista e colunista do UOL Jamil Chade, tal crítica se refere especificamente ao Decreto Presidencial nº 9759/2019, que enfraqueceu os conselhos colegiados no Brasil no ano passado.

Sobre a multiplicação de militares no governo Bolsonaro, Bachelet comparou o Brasil a México e El Salvador, onde também estaria havendo “um maior envolvimento dos militares nos assuntos públicos e na aplicação da lei”.

“Embora eu reconheça o contexto desafiador da segurança, qualquer uso das forças armadas na segurança pública deve ser estritamente excepcional, com supervisão eficaz”, pontuou.

Leia também
Deputados questionam na CPMI das fake news motivos da não adesão do Brasil a acordo na ONU antidesinformação
“A imprensa livre nunca foi tão necessária quanto nesta pandemia”, diz Michelle Bachelet, da ONU