Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Oposição se mobiliza para derrubar decreto das armas

A oposição vai  recorrer ao ao Supremo Tribunal Federal  contra novos decretos sobre liberação de armas. Bolsonaro  editou quatro textos que flexibilizam regras para porte e posse de armamento.

O senador Humberto Costa (PT-PE) anunciou que irá recorrer ao Ministério Público Federal (MPF) para impugnar os atos assinados por Bolsonaro que flexibilizam a compra de armas letais. “Esta medida é insana e fomenta a formação de grupos armados ilegais, num aceno claro às milícias já formadas no País”, escreveu o senador pelas redes

Segundo o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), estão felizes com o novo decreto do presidente “a indústria que fabrica e vende armas”, “milícias e quadrilhas, pois haverá mais armas circulando no mercado”, “quem pode pagar R$ 3.000 ou mais por armas” e “malucos que sonham com uma nova ditadura no Brasil”.

“A arma evita que um governante de plantão queira ser ditador. Eu não tenho medo do povo armado, muito pelo contrário, me sinto muito bem, estar ao lado do povo de bem armado no nosso Brasil”, disse Bolsonaro durante evento em Cascavel (PR).

A oposição ao governo Jair Bolsonaro mantém a pressão nas redes sociais nesta segunda-feira (15) para criticar medidas do governo federal que flexibilizam o acesso às armas de fogo. Na noite de sexta-feira (12), o governo federal alterou quatro decretos de 2019 que regulam a aquisição de armas de fogo. Nas novas publicações, o governo ampliou o número de armamentos e munições permitidas por pessoa, flexibilizou a emissão de laudos e facilitou o acesso à armas de pressão.

Um decreto legislativo por maioria simples pode derruba decreto do presidencial