Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Por que os processos contra Renan Calheiros continuam encalhados?



“É preciso de uma vez por todas investigar e fazer denúncias que tenham começo, meio e fim, que sejam consistentes e não fazer denúncias por mobilização política, porque com isso o País perde e as instituições perdem também”, afirmou Renan.

“A Lava Jato precisa acabar com esse exibicionismo, como vimos agora no episódio do ex-presidente Lula e em outros. Isso, ao invés de dar prestígio, retira prestígio do Ministério Público e obriga o Congresso Nacional a pensar numa legislação que proteja garantias individuais e coletivas”, disse o presidente do Senado, Renan Calheiros

O que foi feito foi uma explicação pública de que o mito adorado e endeusado da nação, o  ex- presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva é o comandante do mensalão e do petrolão.
Cabe ao ministério público acusar e cabe ao juiz acatar ou não a acusação.
Ao contrário do que Renan diz, a explicação dada pelos procuradores foi didática, cronológica e lógica e tem inicio, começo e fim. Justamente por isso, uniu o mensalão com o petrolão. Os esquemas possui o mesmo objetivo: perpetuação de poder e possui o mesmo chefe: Lula da Silva. Todos os envolvidos estão ligados ao ex- presidente Lula.

Renan, possui inúmeras acusações, inúmeros processos e nunca foi punido. Se o ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, antes de ser cassado e antes de ser condenado, foi impedido de continuar a exercer suas atividades na Câmara em uma decisão anticonstitucional tomada em caráter excepcional pelo STF, (somente a Câmara – legislativo pode afastar um deputado de suas funções)  não existe explicação para que Renan Calheiro ( com uma quantidade muito maior de fortes suspeitas de delitos) continue ocupando a presidência do Senado.
Expor a nação brasileira  as conclusões do MP após exaustivo trabalho de centenas de profissionais ( todos concursados)  não se trata de espetaculização e sim um dever dos procuradores. Afinal, não é comum existir um ex- presidente, acusado de ser chefe de uma organização criminosa.

Grande parte do que foi explanado já é do conhecimento público há muito tempo. Apenas o MP oficializou aquilo que o país já sabia: Lula é o chefe.

Renan Calheiros foi a favor da não perda dos direitos políticos de Dilma, e isso, segundo os ministros do STF, Gilmar Mendes e Celso de Mello, é um aberração.

A constituição é clara: a perda do mandato por impeachment implica na perda dos direitos políticos. Antes de Renan criticar  o que ele chama de  exibicionismo, ele deveria apoiar a lei e não apoiar favores políticos inconstitucionais  a  sua amiga, a ex- presidente, Dilma.

Jorge Roriz.