Pacheco e Lira pedem ao STF para manter a falta de transparência do orçamento secreto

os presidentes da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), apresentaram formalmente uma petição ao Supremo Tribunal Federal (STF) para reverter a decisão da Corte que impôs transparência ao orçamento secreto e cessou temporariamente a indicação de recursos via emendas de relator-geral do orçamento (RP-9) – o dispositivo que dá sustentação ao esquema.

“Diante da escassez de recursos públicos, tem-se como gravíssima a suspensão da execução de uma parcela expressiva do orçamento de 2021 sem qualquer critério e por tempo indeterminado, a fatalmente inviabilizar a adequada alocação desses recursos pelo advento do marco temporal do exercício financeiro de 2021”, disparam os parlamentares na petição. “A questão é seríssima e precisa ser imediatamente equacionada por esse Supremo Tribunal Federal, sob pena de prejuízos incalculáveis e irreparáveis, com se passa a demonstrar”.

A QUESTÃO NÃO É ESCASSEZ DE RECURSOS E SIM A FALTA DE TRANSPARENCIA. O QUE PACHECO E LYRA QUER ESCONDER? A DIVULGAÇÃO DOS NOMES DOS PARLAMENTARES BENEFICIADOS E SEUS RESPECTIVOS VALORES RECEBIBOS ?

É UM PEDIDO DE SOCORRO PARA MANTER O ESQUEMA QUE SUSTENTA O CRIME DO ORÇAMENTO SECRETO E O APOIO DO CENTRÃO A BOLSONARO.

A TRANSPARENCIA É UM PRÍNCÍPIO CONSTITUCIONAL. O STF NÃO IMPEDIU A LIBERAÇÃO DAS VERBAS. MAS O PAÍS PRECISA SABER OS VALORES E OS NOMES DE QUEM RECEBEU.

Optimized with PageSpeed Ninja