Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Pará – Organização criminosa extraiu toneladas de ouro em áreas indígenas

LEMBRAMOS QUE OS BOLSONARISTAS TEM MUITAS LIGAÇÕES COM EXTRAÇÃO ILEGAL DE MINÉRIOS EM TERRAS ÍNDIGENAS. A FISCALIZAÇÃO É FROUXA. E PRECISA A IMPRENSA ESTÁ EM CIMA PARA OS INFLATORES SEJAM PUNIDOS. ESTAMOS DE OLHO NO CAIXA DOIS NAS ELEIÇOES DE 2022, CUJA CAMPANHA JÁ FOI ANTECIPADA.

Toneladas de ouro retiradas do subsolo da terra indígena Kaiapó, no sul do Pará, movimentaram, por anos, uma complexa organização criminosa que dominava toda a cadeia do negócio ilegal, desde a abertura e exploração dos garimpos, até os esquemas de lavagem do dinheiro e a venda do produto no Brasil e no exterior.

O Estadão teve acesso exclusivo ao relatório da Polícia Federal que embasou a Operação Terra Desolata. Deflagrada em 27 de outubro, a ação que contou com cerca de 200 policiais cumpriu 62 mandados de busca e apreensão, além de 12 mandados de prisão preventiva em dez unidades da federação: Pará, Amazonas, Goiás, Roraima, São Paulo, Tocantins, Maranhão, Mato Grosso, Rondônia e Distrito Federal. A Justiça Federal determinou o bloqueio e indisponibilidade de valores que chegam a R$ 500 milhões em contas dos investigados. Cinco aeronaves foram apreendidas. A atividade econômica de 12 empresas foi suspensa e houve bloqueio de imóveis de 47 pessoas físicas e jurídicas.

Os investigados são: Arlan Monteiro de Almeida, Hailton Monteiro de Almeida, Gustavo Machado Seixas, Sidney Soares Gomes Brito, Marcus Vinicius Alvarez Guimaraes, Patricia Ferreira Soffa, Douglas Alves de Morais, Fabio Monteiro da Silva, Giacomo Dogi, Walterly Guedes Pereira dos Santos, Vergelina Pereira dos Santos e Andre Felipe Picone Rosa.

Entre os investigados se destacam, Hailton Almeida, não tem vínculo empregatício, nem é sócio ou administrador de qualquer empresa. Nas redes sociais, porém, exibe veículos de luxo, aeronaves, máquinas do tipo escavadeiras hidráulicas e até mesmo barras de ouro.

A estimativa é de que, só da terra indígena Kayapó, onde fica a base operacional da família, Hailton Almeida e o irmão, Arlan Monteiro de Almeida, vinham extraindo no mínimo, 18 quilos de ouro por mês. Equivale a um faturamento mensal de aproximadamente R$ 5,4 milhões com a atividade ilegal. Eles estão cumprindo prisão preventiva.
Da extração em área protegida à exportação ilegal para Europa, esquema que foi alvo da PF envolvia dezenas de empresas, cooperativas, funcionários fantasmas e até barbearia no interior paulista para lavar dinheiro;

“Não se tem dúvidas quanto à associação dos envolvidos em torno de uma extensa e complexa organização criminosa voltada para a prática de crimes ambientais, com foco especial na lavagem de dinheiro decorrente dos lucros obtidos com os crimes anteriores perpetrados, mediante a clara e imprescindível divisão de tarefas”, conclui o relatório da PF. “A prisão destes seria a única forma de interromper ou diminuir a atuação da organização criminosa, levando-se em consideração, ainda, a comoção social que o caso requer e a própria credibilidade da Justiça ante a gravidade dos crimes apontados.