Pazuello comete crime receitando remédios não recomendados pela ciência

Pazuello comete crime receitando remédios não recomendados pela ciência

Na última sexta-feira (8/1), o Ministério da Saúde pediu autorização à Prefeitura de Manaus para fazer uma fiscalização nesta segunda-feira (11/1) nas Unidades Básicas de Saúde destinadas ao tratamento do vírus chinês. Além disso, o ministério solicita a implementação do tratamento precoce, como cloroquina e ivermectina.

O Ministério da Saúde, por meio de um ofício encaminhado à Prefeitura de Manaus, pede autorização para visitar as Unidades Básicas de Saúde “para que seja difundido e adotado o tratamento precoce como forma de diminuir o número de internamentos e óbitos decorrentes da doença”. O ofício também informa ser considerado ‘inadmissível’ não usar cloroquina contra Covid-19.

Na nota informativa 17/2020, que contém “orientações do Ministério da Saúde para manuseio medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da Covid-19”, o governo federal orienta um combinado de cloroquina ou hidroxicloroquina com azitromicina para pacientes com sintomas leves, moderados e graves.

Desde os primeiros meses da quarentena foi identificado a eficácia, na prática, do tratamento precoce com a cloroquina e ivermectina. A Unimed do estado do Pará, por exemplo, em agosto de 2020 informou que tratou cerca de 55 mil pessoas com Covid-19 utilizando cloroquina e afirma não ter registro de nenhuma morte súbita devido ao uso do medicamento.