Jorge Roriz – Jornalismo de Excelência

Pezão tinha esquema de corrupção próprio, diz PGR

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão (MDB), operou um esquema próprio de corrupção, com seus próprios operadores financeiros, segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR). Ele foi preso na manhã desta quinta-feira (29), no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo fluminense.

A movimentação chamou a atenção de pessoas que passavam pelo local. Houve quem gritasse “pega ladrão” ao ver o governador preso, informa O Globo.

Além disso, muitas pessoas se manifestam favoráveis à prisão e xingam autoridades envolvidas em esquemas de corrupção.

A prisão de Pezão ocorreu no Palácio Laranjeiras, por volta das 6h

“Apesar de ter sido homem de confiança de Sérgio Cabral e assumido papel fundamental naquela organização criminosa, inclusive sucedendo-o na sua liderança, Luiz Fernando Pezão operou esquema de corrupção próprio, com seus próprios operadores financeiros”, afirmou a procuradora-geral da República, Raquel Dodge. As conclusões têm como base a delação premiada de Carlos Miranda, operador financeiro do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, de quem Pezão foi vice.

Segundo Miranda, Pezão recebeu mesada de R$ 150 mil durante o período em que foi vice-governador e, até mesmo, 13° salário em propina. Ao todo, ele é suspeito de receber cerca de R$ 39 milhões em espécie entre 2007 e 2014, em valores atualizados.

A prisão de Pezão ocorre a um mês de ele perder o cargo e, portanto, o foro privilegiado. A PGR sustenta que, se continuasse solto, o governador poderia dificultar ainda mais a recuperação dos valores, além de dissipar o patrimônio adquirido em decorrência da prática criminosa. Existe uma verdadeira vocação profissional ao crime, com estrutura complexa, tracejando um estilo de vida criminoso dos investigados, que merece resposta efetiva por parte do sistema de defesa social”, afirmou Dodge.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.