PGR denuncia Jair Bolsonaro por racismo

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, apresentou nesta sexta-feira uma denúncia ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) por racismo.

A acusação vem com base no discurso do pré-candidato a presidência na hebraica no Rio, ano passado.

Jair em seu discurso afirmou que os quilombolas gastam muito dinheiro público, mais de um bilhão por ano e que não fazem nada. Também disse que visitou um quilombo em que o homem mais magro pesava 7 arrobas.

 

A procuradora juntou outras declarações do deputado com supostas conotações preconceituosas de homofobia, racismo e preconceito contra as mulheres.

 

“Que salada é essa que fala em “racismo” contra mulheres, quando o sujeito brinca (goste-se ou não da brincadeira) que virou pai de uma mulher em razão de uma fraquejada? A mulher alvejada pela piada é a própria filha, mas o pai é denunciado pela PGR? Estamos num país insano.” ( Felipe Moura)

 

Um dos filhos de Jair, o também deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), foi denunciado, em outro processo, por ameaçar uma jornalista.

“Se você falar mais alguma coisa, eu acabo com a sua vida”, teria dito ele. Quando ela questionou se aquilo era uma ameaça, ele respondeu: “Entenda como quiser. Depois, acrescentou: “Mais uma palavra e eu vou pessoalmente atrás de você”.

Patrícia Lélis apresentou queixa contra o parlamentar na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher de Brasília (DEAM) e apresentou reproduções das mensagens. As imagens indicam que opção de deletar os textos automaticamente, depois de cinco segundos, foi ativada pelo interlocutor dela.

De acordo com Raquel Dodge, isso indica “que o denunciado teve a preocupação em não deixar rastro das ameças dirigidas à vítima”.